Celebridades tiram a roupa para o Outubro Rosa: mês de alerta sobre o câncer de mama


Celebridades tiram a roupa para o Outubro Rosa: mês de alerta sobre o câncer de mama

Lindas e nuas por uma causa. A atriz Giovanna Antonelli e a tenista americana Serena Williams utilizaram o mesmo gesto para se engajar ao Outubro Rosa: mês de conscientização para a sociedade e principalmente, para as mulheres, sobre a importância dos exames de prevenção para combater o câncer de mama.

Aqui no Brasil, Giovanna postou em suas redes sociais as fotos incríveis que aparecem neste post e sua iniciativa para apoiar o Outubro Rosa através de sua marca de cosméticos.

Ela escreveu em sua página no Facebook:

Nós precisamos de tão pouco para ajudar o outro. Tão pouco! Sempre acreditei nisso e como quase tudo na minha vida, segui minha intuição e fui em busca de fazer a minha parte. Assim nasceu o #PinkPower. Uma onda de amor, que une pessoas em torno de uma grande causa. Abrindo o Outubro Rosa, pensamos em mobilizar alguns dos meus parceiros e lançamos coleções exclusivas #PinkPower com esmaltes, óculos e camisetas. Pra quê? Para que a grana da venda desses produtos seja revertida para ajudar na pesquisa e no tratamento do câncer…. É hora de ser rosa, de ser pink, de ser #PinkPower.”

Nua e de rosa: #PinkPower

Já no Hemisfério Norte, a campeã mundial de tênis Serena Williams gravou um vídeo emocionante em que canta a música “I touch myself” (Eu me toco, na tradução para o português), uma alusão ao auto-exame das mamas.

O clipe é uma iniciativa do projeto I Touch Myself, criado em 2014, para homenagear a cantora Chrissy Amphlett, da banda Divinyls, que morreu por causa de um câncer de mama e que, antes de falecer, afirmou que gostaria que sua música fosse usada como um hino de alerta sobre a doença.

O câncer de mama tem cura

Segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), referência no Brasil no tratamento da doença, não existe uma causa única para o aparecimento do câncer de mama. Além de fatores como idade e herança genética, outros componentes como estilo de vida podem desencadear o aparecimento do problema.

Os especialistas acreditam que 30% dos casos poderiam ser evitados se as mulheres adotassem hábitos saudáveis em suas rotinas, como a prática de exercícios regularmente, ingestão de alimentação balanceada e evitassem o consumo de bebidas alcóolicas. A amamentação é outro fator, apontado pelos médicos, como benéfico para a prevenção ao câncer de mama.

Ainda de acordo com o Inca, mulheres a partir dos 50 anos são mais propensas a desenvolver a doença. Entretanto, o câncer de mama pode atingir mulheres de qualquer idade, inclusive as jovens. Estima-se que só no Brasil, serão registrados 57 mil novos casos em 2015.

O mais importante a enfatizar é que o câncer de mama tem cura, principalmente se diagnosticado precocemente. Para isso, é fundamental que a mulher aprenda a fazer o autoexame para detectar a presença de cistos ou nódulos. E após os 40 anos, a mamografia deve ser feita anualmente.

O movimento Outubro Rosa surgiu nos Estados Unidos, em 1990, quando foi realizada a primeira Race for the Cure, corrida em que participam milhares de ativistas e sobreviventes da doença, em Nova York. Este ano foi promovida a 25ª edição do evento.

Principais sintomas 

– inchaço em parte do seio;
– irritação da pele ou aparecimento de irregularidades;
– dor do mamilo ou inversão do mamilo (para dentro);
– vermelhidão ou descamação do mamilo ou pele da mama;
– saída de secreção (que não leite) do mamilo;
– caroço nas axilas.

Fonte: Mulher Consciente

Fotos: reprodução Facebook Giovanna Antonelli 

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta