Carta de Xapuri: compromisso de 30 anos de luta pela floresta

Este mês de dezembro reúne duas datas muito importante para o povo de Xapuri, no Acre. O aniversario de Chico Mendes, no dia 15. E o dia de sua morte, 22. Por isso, todos os anos, desde que ele se foi, lideranças comunitárias e apoiadores se encontram durante uma semana para lembrar que a luta pela floresta e pelos povos que nela vem continua, firme e forte, para honrar o trabalho que ele começou, e celebrar as realizações de todas as pessoas comprometidos com seus ideais, com seu legado.

Este ano, em que se comemora 30 anos da morte do ativista – hoje, 22 de dezembro -, a semana de atividades aconteceu, como de costume, mas foi iniciada por três dias muito especiais – de 15 a 17 de dezembro -, que reuniram mais de 500 pessoas, entre jovens extrativistas, lideranças, ativistas, ambientalistas, líderes de povos tradicionais, especialistas, pensadores, representantes de organizações e do governo, jornalistas e amigos do seringueiro de várias partes do Brasil, para celebrar e relembrar a trajetória e a importância de Chico Mendes na luta em defesa da floresta e pelo desenvolvimento sustentável.

Fui convidada para integrar o Encontro Chico Mendes 30 anos: uma memória a honrar. Um legado a defender, mas por conta de confusões com as passagens aéreas não fui a Xapuri (os vôos são bastante restritos e teria que passar mais quatro dias na cidade para conseguir voltar). De São Paulo, acompanhei os profissionais de comunicação por um grupo no WhatsApp criado exclusivamente para compartilhar informações.

Foi muito emocionante aqui, imagina lá. Escrevo, agora, com base em tudo que li e ouvi pela rede social e também no que alguns jornalistas publicaram em seguida. Emoção e entusiasmo permearam todas as publicações sobre as conversas, as declarações, as atividades artísticas, workshops e debates. Entre os destaques, a bisneta de Chico – Lívia Mamede Mendes, de 9 anos -, leu carta que escreveu para seu avô (foto abaixo); foi entregue o Prêmio Chico Mendes, pelo governo do Acre; os convidados participaram de uma romaria ao túmulo do seringueiro e foi inaugurada a exposição Chico Mendes Herói do Brasi.

Para terminar o encontro de forma contundente, a atriz e diretora de cinema Lucélia Santos – envolvida no movimento Chico Mendes – leu o manifesto que foi redigido para marcar este movimento: a Carta de Xapuri. 

Com ela, todos os presentes se comprometeram a não abandonar a defesa dos povos da floresta, nem desistir do legado de Chico Mendes. “Ninguém abandona a defesa dos povos da floresta e ninguém desiste do legado de Chico Mendes”.

O jornalista Frederico Brandão, do WWF Brasil, contou que “de mãos dadas e com lágrimas nos olhos, 30 jovens extrativistas e 30 lideranças comunitárias, de forma simbólica, entraram lado a lado pela tenda principal e se comprometeram a continuar o legado de Chico Mendes e proteger a floresta nos próximos 30 anos”. A foto de Marizilda Crupe, do Greenpeace, que abre este post, ilustra bem este momento.

A carta foi escrita de forma coletiva para resultar num genuíno compromisso com a defesa da Amazônia, das populações que lá vivem e dar novo impulso ao pacto das gerações que participam de todo trabalho das reservas por um desenvolvimento sustentável.

Carta de Xapuri

Agora, leia o texto na íntegra (se quiser, salve o PDF) e assista ao video realizado pelo WWF, que resume bem a importância de toda essa celebração.

“Querido Chico,

Nesta semana, do dia 15 ao dia 17 de dezembro, nós, mais de 500 pessoas de todas as partes do Acre, da Amazônia, do Brasil e do planeta, nos reunimos na sua cidade de Xapuri-Acre para honrar sua memória e defender seu legado, nos 30 anos de sua ausência física dos espaços deste mundo.

Vivemos momentos de muita saudade e de muita emoção, Chico! Aqui estiveram seus companheiros seringueiros e suas companheiras de empate; de longe, vieram representantes de comunidades extrativistas de todos os biomas brasileiros; chegaram seus amigos de fora da floresta, do Brasil e do exterior; apareceu gente que conviveu com você, e também muita gente nova, movida pela força de seus ideais.

Durante três dias, refletimos muito sobre o sentido daquela sua sábia fala que imortalizou a sua visão estratégica sobre o futuro do nosso planeta: “No começo, eu pensei que estava lutando para salvar as seringueiras; depois, pensei que minha luta era para salvar a floresta amazônica; agora, percebo que estou lutando para salvar ahumanidade.” Com certeza, Chico! Sua luta foi além… muito além de você mesmo.

Só mesmo você, Chico, para fazer acontecer, nesse tempo amazônico de poucos voos e muitas chuvas, esse nosso diálogo tão profundo, que por inspiração sua, nos faz seguir lutando por um modelo de desenvolvimento sustentável que nos livre das mazelas da depredação ambiental e da contaminação das águas, do solo e do ar que respiramos. Só você mesmo para nos fazer seguir lutando por uma sociedade mais justa, mais solidária e mais igualitária; por esse outro mundo que acreditamos ser ainda possível!

Só mesmo você, Chico, para nos fazer seguir sonhando ante os retrocessos que se anunciam já nas primeiras decisões de um governo eleito que ainda nem tomou posse e já retira do Brasil o direito de sediar a próxima Conferência do Clima, já declara guerra aos sindicatos, às organizações da sociedade civil, aos movimentos sociais, aos direitos conquistados pela juventude, pelas mulheres, pelos povos indígenas, pelas comunidades quilombolas, ribeirinhas, extrativistas, pelos povos da floresta e por todas as populações tradicionais do Brasil.

E por falar em juventude Chico, você deve estar feliz com a decisão que seus companheiros e companheiras do CNS tomaram de fazer deste Encontro um momento de compartilhar conhecimento e de transferência geracional. Assim como você sonhou um dia, mais da metade das pessoas que aqui estão são jovens. São jovens que vieram para firmar compromisso com a defesa do seu legado para os próximos 30 anos!

Infelizmente “a lembrança de um triste passado de dor, sofrimento e morte”,registrada por você em sua mensagem aos jovens do futuro, datada para 6 de setembro

de 2120, é ainda tristeza constante em nossos dias. Os números são alarmantes, companheiro Chico: a cada cinco dias uma companheira ou um companheiro seu, e nosso, é assassinado no Brasil.

Somente no ano de 2017, foram registrados mais de mil conflitos por terra, água ou trabalho nos campos e nas florestas do nosso país. Nos últimos 12 meses, foram ao menos 70 mortes. A última delas foi a do companheiro Gilson Maria Temponi, em Placas, no Pará. Imagina Chico, mais uma morte quando já estávamos aqui reunidos para honrar sua memória, nos 30 anos do seu assassinato, na porta dos fundos de sua casa, no dia 22 de dezembro de 1988, pelas balas traiçoeiras de uma espingarda disparada a mando do latifúndio.

Mas nem tudo é tristeza! Com grande alegria, aqui celebramos o seu legado. A luta de seus companheiros e companheiras transformou as Reservas Extrativistas! Aquela proposta de uso comum e coletivo das áreas de floresta pelas populações extrativistas que você apresentou no I Encontro Nacional dos Seringueiros, realizado em 1985, em Brasília, cresceu, tornou-se política pública, não só na Amazônia, mas também nos outros biomas brasileiros.

Hoje são milhares de famílias, vivendo em milhões de hectares de áreas protegidas. E nessas áreas, ainda que falte muito, além da produção extrativista, já existe escola, posto de saúde, luz elétrica, e em muitos casos até internet! Só que agora, companheiro Chico, os novos governos e o parlamento eleitos ameaçam entregar as terras sob nossa guarda, que garantem a sustentabilidade da nossa economia e do nosso modo de vida ao agronegócio, às madeireiras e à mineração. Esquecem que os serviços ambientais que prestamos beneficiam não só a nós, mas a todos os povos do mundo.

Tomara, companheiro Chico, que as conquistas desse seu legado, resultado da nossa resistência nessas últimas três décadas, das alianças que você tão generosamente construiu com os mais variados parceiros da floresta e de fora dela, sensibilizem os corações e mentes de quem está chegando ao poder para continuar respeitando e trabalhando junto aos nossos povos da floresta, em defesa de nossos territórios, da conservação ambiental e dos direitos sociais do povo brasileiro.

Oxalá, companheiro Chico, aqui mesmo, nas barrancas do Rio Acre, nessa sua amada terra de Xapuri, no coração da floresta amazônica, a juventude do ano 2120 possa estar reunida numa auspiciosa Semana Chico Mendes, para celebrar a força da luta que carregamos juntos com nosso povo, das matas, do sertão, do mar, dos rios e das florestas; para comemorar a união de todos povos em torno dos ideais que você nos legou e da revolução planetária que a medida do tempo não te permitiu viver, mas que você teve o prazer de ter sonhado.

NINGUÉM ABANDONA A DEFESA DOS POVOS DA FLORESTA!
NINGUÉM DESISTE DO LEGADO DE CHICO MENDES!
NINGUÉM SOLTA A MÃO DE NINGUÉM!”

Xapuri, Acre, 17 de dezembro de 2018

Quem quiser fazer contato com o comitê, anote o e-mail (chicomendesheroidobrasil@gmail.com) e o telefone (61) 99967-7943.

Leia também:
Papa Francisco entre os homenageados do Prêmio Chico Mendes de Florestania
Chico Mendes vive: encontro destaca seu legado no país que mais mata ativistas do campo

Fotos: Divulgação

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta