Cachorros preferem carinho à comida, revela estudo da Universidade de Atlanta

cachorros

Primeiro animal que acredita-se ter sido domesticado pelo homem, o cachorro tem uma relação única com o ser humano. Para tentar entender mais este comportamento, pesquisadores da Universidade de Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos, fizeram um experimento com 15 cães, de diferentes raças. O objetivo do estudo estava focado em descobrir mais como funcionava o chamado núcleo caudado dos animais, região localizada na base do cérebro de muitas espécies e que possui papel importante no sistema de aprendizado, memória e recompensa.

Acordados, os animais foram submetidos à ressonâncias magnéticas da área cerebral. Em um primeiro teste, foram oferecidos a eles brinquedos, comida e carinho. Treze dos 15 cachorros mostraram maior movimento cerebral em relação à oferta de carinho. Para confirmar que o resultado estava realmente ligado à valorização da interação social, no segundo experimento, os cães foram colocados em um labirinto em forma de Y, ou seja, eles conseguiam ver o que estava adiante deles. Numa das saídas estava um pote com alimento e na outra, seu dono. A atividade foi repetida 20 vezes e metade deles escolheram a comida e a outra metade, a comida.

O estudo “Awake canine fMRI predicts dogs” preference for praise vs food” foi publicado na revista Social Cognitive and Affective Neuroscience. Ele pode ajudar a entender quais são os melhores métodos para o treinamento de cães, que geralmente, estimula mais o recebimento de comida como recompensa. Mas vale lembrar, que no experimento, o dono estava presente e isso nem sempre acontece durante adestramentos.

Em outro estudo recente, divulgado no jornal Science, pesquisadores húngaros mostraram como os cães conseguem entender não somente palavras, mas também a entonação da voz humana. As imagens cerebrais dos cachorros, que participaram do experimento, revelaram que eles processam o entendimento de maneira similar ao homem: do lado esquerdo do cérebro ficou o registro daquilo que realmente tinha significado e importância e no direito, a memória da entonação.

De onde surgiu o melhor amigo do homem?

O cão (Canis lupus familiaris[) é um mamífero canídeo (animais com cauda longa e dentes molares adaptados para esmagar ossos). Baseados em exames de DNA, pesquisadores da Oxford University, publicaram um estudo na revista Science, em junho deste ano, em que apontam hipóteses sobre as origens da espécie.

Eles sugerem que nossos animais de estimação são originários de duas espécies de lobos cinzas e foram domesticados em dois momentos e locais diferentes da história. Lobos cinzas já eram companheiros de clãs humanos de caçadores na Idade da Pedra, na região da Eurásia Oriental, muito antes do que acreditava-se ser a primeira relação entre homem e cães, há 14 mil anos, no leste da Ásia.

Em 2005, geneticistas já tinham afirmado que as aproximadamente 400 raças de cachorros que conhecemos atualmente têm sua descendência ligada ao lobo cinza.


Foto: Ana_Cotta/Creative Commons/Flickr

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta