Brincar com a natureza é nutrir o interesse pelo mundo

Quando o assunto é criança e natureza, o convite é para nos abrirmos para sermos tão flexíveis quanto as crianças e quanto a natureza. Uma criança, uma planta e qualquer ser vivo não são fixos e estáveis. mas existências que nos revelam a força que permite transformar o mundo.

Essa força, que está também em nós, adultos, é mais difícil de ser sentida/percebida pois, a partir desta fase da vida o desenvolvimento humano fica mais estável e lento. Junta-se a isso a nossa forma de pensar que vê o mundo como um conjunto de formas fixas e estéreis, em contraposição ao que a natureza ou as crianças (o que é a mesma coisa) nos revelam o tempo todo. E na maior parte do tempo, não vemos.

Uma criança brincando com elementos da natureza tem um mundo de possibilidades diante de si. São possibilidades infinitas à disposição. São possibilidades infinitas de transformações e criações para a imaginação das crianças. E todas as possibilidades podem vir a fazer parte da brincadeira. Não há limite, não há fronteira.

O mundo da criança fica tão grande quanto o mundo em si. Ao observar uma criança brincando com a natureza perceberemos imediatamente como o seu interesse pelas coisas se expande cada vez mais. Ela se apropria de algo e já segue imaginando mais e mais.Um graveto pode virar milhões de outras coisas. Tudo depende de suas características e da imaginação das crianças que vão interagir com ele.

Por meio dessa imaginação ancorada no vivo ela cria vínculos e entende o quanto o mundo é interessante, pode ser apreendido e pode fazer parte de sua própria existência. O mundo natural é o mundo que rege todas as forças que nos permitem viver e transformar. Por mais que nossa cultura urbana e industrial tenha transformado a natureza, a dinâmica natural que rege todo o Universo segue seu curso, e nós inexoravelmente fazemos parte desse fluxo. Não o contrário.

É fundamental e urgente que possamos dar essa oportunidade para as crianças. Não precisa ninguém lhes ensinar, nem dizer nada. Elas têm toda condição de apreender a naturalidade do mundo quando brincam com outros seres vivos. Eles interagem estimulando a imaginação e mostrando, a cada instante, a impermanência e a beleza da dança incessante dos seres e elementos que formam o nosso mundo. Brincar com materiais naturais nos convoca a ter interesse pelo mundo.

Oferecer brinquedos de plástico e ambientes fechados e artificiais para brincar é reduzir violentamente as oportunidades que as crianças podem ter para se desenvolver plenamente. E se tornarem adultos capazes de transformar, interessados em se relacionar e reverentes em relação a esse fantástico mundo que recebemos ao nascer.

Foto: Renata Stort

Ana Carolina Thomé e Rita Mendonça

Ana Carolina é pedagoga, especialista em psicomotricidade e educação lúdica, e trabalha com primeira infância. Rita é bióloga e socióloga, ministra cursos, vivências e palestras para aproximar crianças e adultos da natureza. Quando se conheceram, em 2014, criaram o projeto "Ser Criança é Natural" para desenvolver atividades com o público. Neste blog, mostram como transformar a convivência com os pequenos em momentos inesquecíveis.

Deixe uma resposta