Brasileiros criam máquina de baixo custo que limpa frutas e hortaliças sem uso de água

brasileiros criam máquina que limpa frutas e hortaliças sem uso de água

*Por Poliana Corrêa

Pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) desenvolveram uma máquina compacta, voltada a pequenos produtores, que limpa frutas e hortaliças sem uso de água. Além da higienização, o equipamento vai ajudar na classificação dos alimentos, contribuindo para a redução de perdas na pós-colheita.

Projetado em formato vertical, o protótipo usa um sistema de escova de três vias em helicoide, que faz aumentar a eficiência de limpeza e classificação, atenuando significativamente o impacto nos frutos. Os métodos de seleção em máquinas estáticas convencionais podem provocar quase três vezes mais lesões.

“As vantagens ambientais estão relacionadas ao não uso da água. O sistema possui duas escovas – uma embaixo e outra em cima – e assim, consegue-se uma melhor limpeza, pois proporciona maior contato do fruto com as cerdas”, explica Marcos David Ferreira, pesquisador da Embrapa Instrumentação e coordenador do projeto. “No Brasil, o sistema tradicional, tanto para o tomate quanto para outras frutas, utiliza grandes volumes de água. Essa água muitas vezes precisa ser descartada ou passar por tratamento. O novo equipamento reduzirá o desperdício e trará economia os pequenos produtores.”

Para se ter uma ideia, a limpeza convencional do tomate, por exemplo, pode consumir até 500 m3 de água por mês em algumas unidades de beneficiamento. A máquina compacta da Embrapa tem capacidade para classificar cerca de uma tonelada de frutos diariamente, quantidade que varia de acordo com a regulagem da ferramenta, tipo do fruto, entre outros fatores.

“A classificadora já foi licenciada por uma empresa e vai entrar no mercado agora em junho ou julho. Não há previsão de preço ainda, mas é uma máquina de baixo custo, voltada para que pequenos e médios produtores”, afirma Ferreira.

O equipamento levou três anos de pesquisas para ser desenvolvido. O trabalho foi produzido com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), na modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular.

“Fizemos inúmeros e exaustivos testes para ver a condição e eficiência do sistema, tanto para limpeza quanto para classificação, que acabou se mostrando tão eficiente quanto o tradicional”, diz o pesquisador.

O principal diferencial é que ele trará economia à agricultura familiar e reduzirá o desperdício de água no campo. Bravo!

*Texto publicado originalmente em 07/06/2017 no site da Web Radio Água

Leia também:
Fazendo no deserto produz toneladas de tomate usando somente a luz do sol e a água do mar
O sabor sem igual do tomate plantado em casa

Foto: domínio público/pixabay

Portal da Fundação Parque Tecnológico Itaipu, que tem como objetivo ampliar a difusão de boas práticas e conteúdos relacionados à Água, Energia e Sustentabilidade, constituindo assim, uma rede de discussão, apresentação e proposição de ideias e do compartilhamento de soluções e mobilização social

Web Rádio Água

Portal da Fundação Parque Tecnológico Itaipu, que tem como objetivo ampliar a difusão de boas práticas e conteúdos relacionados à Água, Energia e Sustentabilidade, constituindo assim, uma rede de discussão, apresentação e proposição de ideias e do compartilhamento de soluções e mobilização social

Deixe uma resposta