Brasileira ganha prêmio internacional por pesquisa para identificar agrotóxicos em alimentos

Brasileira ganha prêmio internacional por pesquisa para identificar agrotóxicos em alimentos

A professora do Departamento de Química, da Universidade Federal do Paraná (UPPR), Elisa Souza Orth, foi uma das ganhadores do Green Chemistry for Life 2018, premiação internacional, que tem a parceria da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), da União Internacional pela Química Pura e Aplicada (IUPAC) e da empresa PhosAgro.

Elisa é a pesquisadora chefe de um projeto de desenvolvimento de um produto inovador que pode, de forma barata e rápida, identificar a presença e a quantidade de agrotóxicos nos alimentos.

Ao adicionar nanocatalisadores na água que se lava frutas, verduras e legumes, seria possível ver imediatamente – pela mudança na coloração da água – se os alimentos têm pesticidas e se estão em um limite seguro. A ideia é que os catalisadores sejam produzidos a partir de materiais reciclados ou resíduos agrícolas, como por exemplo, a casca do arroz.

Filha de uma bióloga e de um agrônomo, a professora, de 34 anos, foi a única mulher das Américas a receber o prêmio. Seu trabalho foi um dos nove escolhidos entre mais de 100 inscritos.

A cientista já havia recebido outros reconhecimentos nacionais e internacionais. Ganhou o Grande Prêmio Capes de Tese Milton Santos, na área de Engenharias, Ciências Exatas e da Terra e Multidisciplinar – Materiais e Biotecnologia, em 2012, e em 2015, conquistou o Para Mulheres na Ciência da Fundação L’Oréal, no Brasil. No ano seguinte, foi a vez do International Rising Talents, também oferecido pela L’Oréal, em parceria com a Unesco.

Os 30 mil dólares concedido pelo Green Chemistry for Life será utilizado na compra de novos equipamentos e no financiamento do projeto sendo conduzido pela equipe do Grupo de Catálise e Cinética da UFPR. A cerimônia de premiação aconteceu em setembro, na Tailândia, durante uma conferência, na qual a professora também foi uma das palestrantes convidadas.

O foco das pesquisas de Elisa é em uma classe de agrotóxicos denominada de organofosforados (organophosphate – OP – , em inglês). Desenvolvido nas décadas de 1930 e 1940, originalmente como um agente de gás nervoso humano, mas depois adaptado, em doses menores, para ser utilizado como inseticida, ele é associado com o aparecimento de câncer, leucemia, autismo, entre outros problemas mentais (leia mais sobre o assunto aqui).

O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. Por ano, o setor comercializa algo em torno de US$ 10 bilhões. Em 2014, a estimativa era de que cerca de 7,5 quilos de pesticidas foram usados, por pessoa, no país.

Leia também:
Brasil consome 1/5 dos agrotóxicos produzidos no mundo e cerca de 1/3 deles é proibido na Europa

Mitos e verdades sobre os agrotóxicos, em guia prático do Idec, para download
#ChegaDeAgrotóxicos: campanha só cresce e alerta para risco de aprovação do PL do Veneno
Em ensaio e documentário, fotógrafo argentino revela ‘o custo humano dos agrotóxicos’
Especialistas denunciam “mito” sobre pesticidas serem essenciais para alimentar humanidade

Foto: arquivo pessoal

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

2 comentários em “Brasileira ganha prêmio internacional por pesquisa para identificar agrotóxicos em alimentos

  • 6 de novembro de 2018 em 10:52 AM
    Permalink

    É uma notícia de grande importância! Muito relevante!
    Parabéns à jornalista e à pesquisadora!
    É uma iniciativa que pose terminar por proteger muitas e muitas pessoas e seres da natureza.

    Resposta
  • 16 de novembro de 2018 em 2:44 PM
    Permalink

    Estou orgulhosa dessa brasileira tão importante para o planeta, espero seja reconhecido e valorizado seu trabalho, e difundido o resultado pra nossa vida ter maior saúde.

    Resposta

Deixe uma resposta