Brasileira ganha prêmio internacional ao criar sistema de dessalinização de água com grafeno

Brasileira ganha prêmio internacional ao criar sistema de dessalinização de água com grafeno

Tido como uma matéria-prima revolucionária, o grafeno é um derivado do carbono, extremamente fino, flexível, transparente e resistente (200 vezes mais forte do que o aço). Considerado excelente condutor de eletricidade, é usado para a produção de células fotoelétricas, peças para aeronaves, celulares e tem ainda outras tantas aplicações na indústria.

Por ser considerado um dos materiais do futuro, ele foi escolhido como tema do Global Graphene Challenge Competition 2016, uma competição internacional promovida pela empresa sueca Sandvik, que busca soluções sustentáveis e inovadoras ao redor do mundo.

E a brasileira Nadia Ayad, recém-formada em engenharia de materiais pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), do Rio de Janeiro, foi a grande vencedora do desafio. Seu projeto concorreu com outros nove trabalhos finalistas.

Nadia criou um sistema de dessalinização e filtragem de água, usando o grafeno. Com o dispositivo, seria possível garantir o acesso à água potável para milhões de pessoas, além de reduzir os gastos com energia e a pressão sobre as fontes hídricas.

“Com a crescente urbanização e globalização no mundo e a ameaça das mudanças climáticas, a previsão é de que num futuro não muito distante, quase metade da população do planeta viva em áreas com pouquíssimo acesso à água”, afirma Nadia. “Há uma necessidade real de métodos eficientes de tratamento de água e dessalinização. Pensei que a natureza única do grafeno e suas propriedades, incluindo seu potencial como uma membrana de dessalinização e suas propriedades de peneiração superiores, poderiam ser parte da solução”.

Como prêmio, a estudante carioca fará uma viagem até a sede da Sandvik, na Suécia, onde encontrará pesquisadores e conhecerá de perto algumas das inovações e tecnologias de ponta sendo empregadas pela empresa. Ela visitará ainda o Graphene Centre da Chalmers University.

Esta não será a primeira experiência internacional de Nadia. A engenheira brasileira já tinha participado do programa do governo federal Ciências Sem Fronteiras, quando estudou durante um ano na Universidade de Manchester, na Inglaterra. Agora ela pretende fazer um PhD nos Estados Unidos ou Reino Unido, pois acredita que, infelizmente, terá mais oportunidades para realizar pesquisas no exterior do que no Brasil.

Foto: divulgação Global Graphene Challenge Competition

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

37 comentários em “Brasileira ganha prêmio internacional ao criar sistema de dessalinização de água com grafeno

  • 22 de Janeiro de 2017 em 1:04 PM
    Permalink

    Muito interessante e importante ! Parabéns a Nadia Ayad e a jornalista Suzana Camargo .

    Resposta
    • 23 de Janeiro de 2017 em 4:53 PM
      Permalink

      Obrigada, Luis Roberto.
      É sempre um prazer escrever sobre notícias inspiradoras como esta.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta
  • 23 de Janeiro de 2017 em 12:53 PM
    Permalink

    Infelizmente centros de excelência como esse preparam mentes brilhantes como as dessa jovem e assim por falta de planejamento e projetos internos são obrigados a buscar oportunidades e desenvolvimento de suas carreiras em outros países com melhor infraestrutura comprometendo ainda mais nossas perspectivas de independência e denvolvimento tecnológico, financeiro, etc.

    Resposta
    • 23 de novembro de 2017 em 12:54 AM
      Permalink

      Realmente é muito triste de se constatar que nossas mentes brilhantes emigram para países mais desenvolvidos onde encontrarão campo e recursos necessários às suas pesquisas. E suas descobertas farão estes países ficarem cada vez mais ricos pois venderão os produtos das pesquisas aos paízes mais pobres que assim ficarão cada vez mais dependentes e pobres. Como sair deste ciclo vicioso?

      Resposta
  • 23 de Janeiro de 2017 em 12:56 PM
    Permalink

    Espero que tenha patentado o invento, antes que o façam.

    Resposta
    • 29 de Janeiro de 2017 em 10:17 AM
      Permalink

      Aqui no Brasil essa patente, se a tramitação for muito ágil, será homologada entre 5 e 10 anos … Esse é mais um sério problema que contribui para o atraso dá tecnologia no Brasil.

      Resposta
  • 23 de Janeiro de 2017 em 2:40 PM
    Permalink

    Posso apostar, a primeira coisa que observam:
    Pessoa normal: Ela é brasileira \o/
    Justiceiro social: Ela é negra \o/

    Resposta
  • 23 de Janeiro de 2017 em 8:46 PM
    Permalink

    Maravilhosa está Mulher empreendedora !
    O Mundo ? todo estará aos pés dela porque o grande problema da humanidade é justamente a ÁGUA ? ou a grande dificuldade que será todos terem acesso à água potável

    Resposta
  • 23 de Janeiro de 2017 em 11:06 PM
    Permalink

    isso sim podemos considerar motivo de orgulho e exemplo para o país…………merece homenagens e divulgação.

    Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 4:08 AM
    Permalink

    Parabenizo a engenheira pela conquista. Entretanto, duas observações vêm à minha mente.
    Não devemos misturar um fato real, que é a demanda crescente de água potável, com uma mentira como é o aquecimento global. Isso tira o brilho do trabalho.
    Também, qualquer avanço tecnológico deve estar sustentado por uma análise de viabilidade econômica que compare com outras opções.

    Resposta
    • 24 de Janeiro de 2017 em 10:33 AM
      Permalink

      Jorge,
      Obrigada pela mensagem! Mas gostaria de lembrá-lo que os maiores cientistas do mundo e as mais importantes instituições de pesquisa comprovam, com evidências científicas, que o aquecimento global é real e já afeta o planeta. 2016 foi o ano mais quente da história e são entidades como NASA, NOAA e Mett Office que provam isso. Leia mais neste post http://conexaoplaneta.com.br/blog/2016-foi-o-ano-mais-quente-da-historia/ .
      Abraço,
      Suzana

      Resposta
    • 29 de Janeiro de 2017 em 11:01 PM
      Permalink

      Mentira não. Aquecimento global é uma realidade. O que se questiona é se o motivo é a atividade humana ou outro fator. Procure se informar melhor.

      Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 9:28 AM
    Permalink

    Sempre ficamos orgulhosos quando um brasileiro faz alguma coisa pra melhorar a vida de outras pessoas, principalmente aqui no Nordeste onde a precariedade de água é imensa. Tenho dois poços artesianos e ajudo a umas 30 familias, porem a água é muito salobra, mas não tem outra e a solução é ir se virando com o que tem. Espero que este invento chegue logo por aqui pra mitigar a sede de muita gente.

    Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 1:53 PM
    Permalink

    Parabéns a cientista e a jornalista…Mais pessoas como ele e mais notoriedade para notícias como essa.

    Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 2:03 PM
    Permalink

    Esperamos ansiosamente que a Nádia e todo o planeta faça bom uso dessa descoberta. No Brasil, por exemplo, as regiões áridas, além da escassez de água superficial, e de boa qualidade, tem para complicar uma água salobra nos poços, mesmo profundos, com sua alta salinidade, imprópria para consumo. Os processo de tratamento são poucos e caros. Eu como sanitarista fico muito feliz com a descoberta, que facilitará a obtenção de água potável exatamente nas regiões onde é mais difícil.

    Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 3:47 PM
    Permalink

    Parabéns a Nadia Ayad e a jornalista Suzana Camargo, é disso que precisamos, pessoas com esse tipo de talento.

    Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 4:44 PM
    Permalink

    O grafeno pode ser utilizado para tratamento de chorume com ótimos resultados em substituição a membranas.

    Resposta
  • 24 de Janeiro de 2017 em 8:59 PM
    Permalink

    Parabéns a jovem brasileira pela pesquisa e a jornalista… Este é o Brasil que precisamos valorizar…

    Resposta
  • 25 de Janeiro de 2017 em 12:33 AM
    Permalink

    Texto copiado da Wikipédia:

    O óxido de grafeno também pode extrair substâncias radioativas das soluções de água. A descoberta do fenômeno deve possibilitar a purificação da água (incluindo as águas subterrâneas) contaminada por radiação, tal como ocorreu na área afetada pelo acidente nuclear de Fukushima.
    No ano de 2015, uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro desenvolveu sacos de chá, com óxido de grafeno, capazes de remover, com eficácia, metais pesados de águas. Por cada dez miligramas de óxido utilizado foi possível remover, ao fim de 24 horas, 95% de mercúrio numa amostra de um litro de água. A remoção dos metais é explicada pelo fenómeno de adsorção.

    Resposta
  • 25 de Janeiro de 2017 em 8:33 AM
    Permalink

    Excelente trabalho, o Brasileiro é nota 10.
    Mas nesta materia deveria ter mais informações tipo : onde existe o grafeno e se existe em abundância , quem detem o estoque e extração, quem fica contrariado com esta descoberta, etc….. agora terei que pesquisar no google. Mas mesmo assim, parabens para ela

    Resposta
  • 25 de Janeiro de 2017 em 10:45 AM
    Permalink

    Parabéns a Nádia,mas ao mesmo tempo sinto um imenso vazio ao constatar novamente que mais uma mente brilhante vai brilhar lá fora! Só nos resta mesmo o carnaval…!

    Resposta
  • 25 de Janeiro de 2017 em 11:40 AM
    Permalink

    Parabéns à jovem cientista, orgulhoso por ser brasileira, e apreensivo pois é mais uma mente brilhante sem apoio do país e que será aproveitada no exterior. Parabéns pela reportagem.

    Resposta
  • 25 de Janeiro de 2017 em 6:37 PM
    Permalink

    Parabéns e como ela disse infelizmente o Brasil não dá estímulos para nossos brasileiros. ..Uma pena. ..Parabéns Suzana pela excelente matéria. ..
    Temos um projeto de trazer a Biocant de Portugal. .Talvez será uma saída para esses talentos brasileiros. …Parabéns. ..

    Resposta
  • 26 de Janeiro de 2017 em 10:58 AM
    Permalink

    E triste é que acontecimento e notícia como essa não recebam destaque na grande mídia. Parabéns às cientista e jornalista

    Resposta
  • 26 de Janeiro de 2017 em 8:06 PM
    Permalink

    Excelente! Parabéns à jovem cientista pelo projeto e à jornalista pela matéria.

    Resposta
  • 26 de Janeiro de 2017 em 9:44 PM
    Permalink

    O POVO DA CAATINGA ASSIM COMO TODOS OS OUTROS ATÉ DA CIDADE DEVERIAM SER TREINADOS PARA RETER AGUAS DA CHUVA.
    NO CAMPO, COM BARRAGENS APARTIR DOS MORROS COM PEQUENOS AÇUDES, E ASSIM MANTER VIVOS BREJOS, RIACHOS E RIOS EVITANDO EROSÕES.
    NAS CIDADES, AS AGUAS DOS TELHADOS PODERIAM SER RETIDAS EM TANQUES SUBTERRANEOS PARA COMSUMO EM LIMPEZAS. EVITARIA INUNDAÇÕES E AUMENTO DO NIVEL DOS MARES.

    Resposta
  • 27 de Janeiro de 2017 em 3:48 PM
    Permalink

    Parabéns pela pesquisa e pelo desenvolvimento do sistema, agora falta fabricar o grafeno a custos competitivos.

    Resposta
  • 27 de Janeiro de 2017 em 10:06 PM
    Permalink

    O Vale do Ribeira é uma da regiões mais ricas em grafite do Brasil, riquíssimo em grafeno… temos que preservar nossas riquezas. Fico pensando aqui do Japão…se o Brasil investi-se mais em educação e pesquisa, teria muito mais orgulho de meu país.
    Excelente! Parabéns à jovem cientista pelo projeto e à jornalista pela matéria.

    Resposta
  • 28 de Janeiro de 2017 em 2:57 PM
    Permalink

    Precisamos de mais apoio para pesquisa no Brasil, apenas assim teremos um pais de primeiro mundo parabens pelo sucesso nas pesquisas.

    Resposta
  • 2 de Fevereiro de 2017 em 8:04 AM
    Permalink

    Obrigado Suzana Camargo por nos dar conhecimento de tamanho feito, parabéns a Nadia Ayad pela competência em um programa tão promissor, o nosso problema como o Brasil é o maior possuidor de Grafeno assim como o Nióbio, seremos espoliados mais uma vez dessa matéria prima.

    Resposta
  • 28 de Março de 2017 em 2:25 PM
    Permalink

    Como sanitarista agradeço a Suzana Camargo pela oportunidade de mostrar a nós brasileiros de boa vontade a importância da pesquisa científica realizada pela engenheira Nadia Ayad sobre “dessalinização de água com grafeno”em um momento tão oportuno uma vez que nossas águas estão sofrendo com a salinização de nossos lençóis.

    Resposta
  • 10 de novembro de 2017 em 9:09 PM
    Permalink

    Parabéns!!! Lindo ver uma brasileira jovem na ponta!!

    Resposta
  • 12 de novembro de 2017 em 10:24 AM
    Permalink

    Parabéns!!!

    Resposta
  • 21 de novembro de 2017 em 9:24 PM
    Permalink

    Parabéns pra você e para Nádia, é bom e da orgulho de ver brasileiros se destacando assim.

    Resposta

Deixe uma resposta