Brasil é o país do mundo que teve mais perda florestal em 2017

Brasil é o país do mundo que teve mais perda florestal em 2017

Em tempos de Copa do Mundo, a comparação fica bem clara. O planeta perdeu o equivalente a um campo de futebol de florestas, por segundo, no ano passado, ou mais exatamente, 29,4 milhões de hectares.

O dado acaba de ser divulgado pelo relatório Global Forest Watch e revela que este é um segundo recorde de desmatamento desde que o monitoramento começou a ser feito em 2001. O levantamento é baseado em informações obtidas através da comparação de 30 milhões de imagens de satélite em alta resolução.

A destruição de florestas no mundo todo não apenas coloca em risco a sobrevivência de milhares de espécies de animais e plantas, como também deixa a humanidade em uma situação ainda mais vulnerável perante as mudanças climáticas, já que as árvores são um dos principais instrumentos para a absorção de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, o gás apontado como sendo o principal responsável pelo aquecimento global.

Desde 2003, a perda da cobertura florestal do planeta triplicou, todavia, em áreas tropicais, ela dobrou desde 2008. E o Brasil tem grande culpa nestes cálculos, já que foi o campeão neste triste ranking no ano passado, seguido – bem de longe – pela República Democrática do Congo.

“A principal razão pela qual as florestas tropicais estão desaparecendo não é um mistério – vastas áreas continuam sendo desmatadas para dar lugar à soja, carne bovina, óleo de palma, madeira e outras commodities comercializadas globalmente. Grande parte desse desmatamento é ilegal e ligada à corrupção “, disse Frances Seymour, do World Resources Institute, que produz o Global Forest Watch, junto a outros parceiros, em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Depois de uma década de queda do desmatamento na Amazônia, nos últimos anos os índices de destruição da floresta voltaram a subir. Temos mostrado, mês a mês, aqui no Conexão Planeta, notícias sobre o aumento de áreas devastadas, sobretudo nos estados de Mato Grosso, Rondônia, Amazonas, Roraima e Pará.

O que tem agravado ainda mais o combate ao desmatamento no Brasil é o enfraquecimento das políticas públicas de proteção ao meio ambiente. O governo federal tem cedido ao lobby das indústrias agropecuária e mineradora em troca de apoio para sua base em Brasília. Uma moeda de troca que tem sido responsável pela destruição de milhares de hectares de florestas no país.

Em rosa claro e escuro, áreas degradadas e desmatadas na região Amazônica

Leia também:
Desmatamento na Amazônia está prestes a atingir limite irreversível
Monitoramento do desmatamento da Amazônia é ameaçado por corte no orçamento

Desmatamento do Cerrado supera o da Amazônia
Até agronegócio protesta contra redução do governo à áreas de parques nacionais
STF veta redução de parques e reservas por medidas provisórias

Foto: Felipe Werneck/Ibama/Creative Commons/Flickr e demais imagens Global Forest Watch

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta