Botsuana libera novamente a caça a elefantes

Botsuana libera novamente a caça a elefantes

Em 2014, o então presidente do país africando de Botsuana, Ian Khama, proibiu à caça dos elefantes.

Estima-se que a população de elefantes africanos foi reduzida em 30% nos últimos anos. Aproximadamente 144 mil desses animais foram mortos entre 2007 e 2014, sobretudo, por causa da caça criminosa para a retirada do marfim de suas presas para alimentar o comércio ilegal da Ásia.

O Great Elephant Census, realizado em 2016, contabilizou pouco mais de 350 mil elefantes em 18 países monitorados – sendo 130 mil apenas em Botsuana. No século 19, havia cerca de 12 milhões deles na África.

Esta semana, em nota divulgada nas redes sociais, o ministro do Meio Ambiente, Recursos Naturais, Conservação e Turismo de Botsuana, anunciou que o país derrubou a proibição do governo anterior e voltará a permitir a caça de elefantes.

Entre as alegações levantadas pelo ministério estão o aumento do número de conflitos entre o maior mamífero da Terra e humanos e a consequência disso sobre as comunidades onde vivem. Muitos agricultores reclamaram que os elefantes estavam destruindo plantações e matando criações de animais.

Rapidamente, entidades de conservação vieram a público protestar contra a liberação da caça. “É uma decisão horrorosa… Além da caça ser moralmente questionável, a revogação da proibição ameaçará os esforços em proteger esses gigantes e prejudicará a valiosa indústria do turismo de Botsuana”, disse a Humane Society International.

Ao contrário do ex-presidente, o atual, Mokgweetsi Masisi não está preocupado com a proteção dos elefantes. No mês passado, ele causou polêmica ao presentear líderes do Zimbabwe, Zâmbia e Namíbia, que visitaram Botsuana, com bancos feitos com pés de elefantes.

*Com informações do The Washington Post

Leia também:
Rana: a nova moradora do Santuário dos Elefantes, na Chapada dos Guimarães
Trump revoga proibição de entrada nos Estados Unidos de troféus de caça de elefantes
Maia e Guida chegam ao Santuário de Elefantes na Chapada dos Guimarães
População de elefantes africanos foi reduzida em 30% nos últimos anos
Chapada dos Guimarães abriga primeiro Santuário de Elefantes da América Latina
Circo nos EUA vai parar de usar elefantes em shows em 2016
Hong Kong proíbe venda de marfim para frear matança ilegal de elefantes

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta