Biólogos alertam sobre impacto em animais de mega festa de Ano Novo em Fernando de Noronha

Biólogos alertam sobre impacto em animais de mega festa de Ano Novo que será realizada em Fernando de Noronha

Fernando de Noronha não é simplesmente um dos destinos turísticos mais visitados do Brasil. Composto por 21 ilhas e ilhotas, o arquipélago foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Por sua grande relevância e singularidade para a conservação marinha, o arquipélago é protegido por duas Unidades de Conservação (UCs) Federais: o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha e a Área de Proteção Ambiental de Fernando de Noronha-Rocas-São Pedro e São Paulo, ambos administrados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão do ministério do Meio Ambiente..

Há uma série de animais ameaçados de extinção que habitam a região, entre eles, tubarão-limão, corais, estrelas-do-mar e diversas espécies de tartarugas (verde, cabeçuda, pente). Desde 1984, por exemplo, o Projeto Tamar realiza em Noronha um dos mais importantes trabalhos de proteção e estudos das tartarugas marinhas no país.

Como a ilha principal não tem capacidade e nem estrutura para receber um número muito grande de visitantes (pouco mais de 50% das casas tem sistema de esgoto) e a preservação de sua biodiversidade pode ser impactada pelo turismo em larga escala, há um limite máximo de pessoas que podem ficar nela por dia.

É de se espantar então, que seja realizada uma mega festa de Ano Novo, com quatro dias de duração, na Praia da Conceição, em Fernando de Noronha. O assunto veio à tona através de um twitter, na semana passada, feito pelo jornalista André Trigueiro.

“O enfraquecimento do ICMBio em Fernando de Noronha contrasta com o tamanho das festas que marcam a virada do ano no santuário. Na que acontecerá na Praia da Conceição, o passaporte cobrado por um dos lounges para 3 dias de balada (das 9h à meia-noite) custa R$ 2.150,00”, escreveu.

Trigueiro ainda afirmou que um dos DJ’s da festa será justamente o novo chefe do ICMBio na ilha, o arquiteto João Luiz do Nascimento Rocha, chamado de “DJ Tequila” na propaganda do evento. Ele foi indicado na semana seguinte à visita do ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles, a Noronha.

Biólogos alertam sobre impacto em animais de mega festa de Ano Novo que será realizada em Fernando de Noronha

A Praia da Conceição: onde será montada a mega festa

O Conexão Planeta entrou em contato com a assessoria de imprensa do ICMBio para esclarecer as questões. Primeiramente, confirmar se Rocha participará mesmo da festa. E depois, se o órgão não está preocupado com o impacto ambiental que uma estrutura desse tamanho pode ter sobre a vida selvagem do parque marinho.

Até este momento, o ICMBio não nos deu resposta.

Super festa em um santuário marinho

Não é a primeira vez que o “o evento mais famoso da ilha”, como é chamada a festa de Ano Novo, na página da agência de comunicação responsável pela sua divulgação, é realizado em Fernando de Noronha. Promovido pela Pousada do Zé Maria, uma das mais antigas e conhecidas na Vila dos Remédios, ele já é tradicional.

Mas segundo um funcionário do ICMBio que conversou com o Conexão Planeta e pediu para manter o anonimato*, uma festa com essa estrutura nunca foi aprovada pelo instituto. “Ela foi autorizada sem análise dos analistas da unidade”, garantiu.

Luzes artificiais e barulho podem afetar comportamento
dos animais, garantem biólogos

Este ano, a Festa do Réveillon do Zé Maria anunciou um novo parceiro – o capitão da Seleção Brasileira de Futebol, Daniel Alves. No palco que será montado na areia, “haverá shows com Nando Reis, Natiruts e Seu Jorge, além de atrações internacionais como Sam Feldt e Zeeba”.

Além de duas pistas de dança, o lounge da festa conta com “bangalôs e ombrelones, três bares, serviços de praia, atividades ao ar livre, spa, quadras de vôlei e futevôlei e muito mais”.

Ilustração de divulgação da estrutura da festa

Também conversamos com a assessoria de imprensa da Pousada do Zé Maria, que em mensagem por WhatsApp, nos enviou uma nota divulgada pela equipe organizadora da festa.

O texto afirma que a participação do João Luiz do Nascimento Rocha como Dj das festas de Réveillon não procede e que ele não tocará em nenhum evento. “Sobre os aspectos legais necessários para a realização do Lounge Zé Maria na praia da Conceição, a Pousada Zé Maria está de posse de todas as licenças obrigatórias – e não obrigatórias – necessárias para que todo o processo ocorra em consonância com a lei, como é de praxe em qualquer prática adotada pela empresa”.

Ainda de acordo com a nota, foi contratada uma gestora ambiental, certificada pela ISO, que prestará “consultoria especializada considerando todas as especificidades do evento”.

Impactos inegáveis

O Conexão Planeta também entrevistou dois biólogos para se certificar se realmente há motivo de preocupação com a realização de uma festa em um santuário ecológico como Fernando de Noronha. Ambos concordam que não há como negar o impacto, mesmo que temporário, sobre os animais da ilha.

“A luz artificial causa impactos negativos em muitas aves marinhas, incluindo espécies ameaçadas de extinção (principalmente albatrozes e trinta réis). Muitas delas são ativas durante a noite e podem ficar facilmente desorientadas por fontes intensas de luz artificial”, explicou Fabricio Almeida, pesquisador do Laboratório de Gestão Costeira Integrada e do Observatório de Áreas Protegidas, ambos da Universidade Federal de Santa Catarina.

Biólogos alertam sobre impacto em animais de mega festa de Ano Novo que será realizada em Fernando de Noronha

Foto de festa realizada em anos anteriores: são mais de 1,5 mil pessoas

Ainda segundo o especialista, a poluição sonora é outra ameaça às aves, principalmente se acontecer próximo de ambientes de reprodução e alimentação onde elas vivem em colônias.

“Algumas espécies de aves marinhas e costeiras fazem ninhos na faixa de areia da praia ou na vegetação adjacente e qualquer intervenção nestes locais podem causar estresse, destruição dos ninhos e afugentamento de filhotes, aumentando a possibilidade de atração de predadores e morte por pisoteio de ovos”.

A bióloga Anaide Aued, mestre e doutora em ecologia, que atualmente estuda e monitora os efeitos das mudanças climáticas na vida marinha nos recifes do Brasil, mais especificamente nas ilhas oceânicas do país, entre elas, Fernando de Noronha, também se mostra bastante preocupada com a realização de uma super festa como o réveillon no final deste mês.

“A poluição sonora ‘humana’ têm efeitos negativos sobre a vida marinha e segundo a Organização Mundial de Saúde, é uma das mais perigosas que o homem pode causar”, ressalta. “Os efeitos variam de espécie para espécie, ainda mais em Fernando de Noronha, pelo alto número de espécies que só existem lá”.

Anaide explica, por exemplo, que durante a festa, a música, o barulho das pessoas e os fogos de artifício podem mudar o comportamento dos peixes, tornando-os mais agressivos e territoriais e ainda, impactar na busca de alimentos. “Algumas espécies, durante a noite. utilizam os sons para poder capturar suas presas”.

Outro grupo que pode ser afetado pelo evento são os golfinhos rotadores, símbolos de Noronha. “Golfinhos escutam uma frequência de áudio muito mais alta que o ser humano e isso também pode influenciar o comportamento desses animais”.

Por último, a bióloga lembra que Fernando de Noronha, assim como as demais ilhas oceânicas brasileiras, é um dos principais pontos de desova de tartarugas marinhas. E justamente em dezembro começa a época de reprodução das tartarugas verdes. “É a única vez em que as fêmeas saem da água e vão para a terra para desovar e as luzes e o barulho podem impedir que isso ocorra, provocando um estresse nas tartarugas ou mesmo, afetando a reprodução, já que a fêmea voltará para a água”.

Golfinho rotador: um dos animais que pode ser afetado pelo barulho da festa

A pergunta que fica ao final de tudo: será mesmo necessária uma festa deste tamanho em um santuário como Fernando de Noronha, onde as pessoas deveriam aproveitar a paz, a calma e a tranquilidade da natureza?

Deixo para você, leitor, a reflexão!

——————————————————————

O Conexão Planeta entrou em contato também com o Projeto Tamar para saber qual a opinião da organização sobre a festa, mas não obteve nenhum resposta de seus coordenadores.

*Com informações do site do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha

*Desde o início do governo Bolsonaro, funcionários estão proibidos de dar entrevistas à imprensa.

Leia também:
Ministro do meio ambiente quer liberar voos noturnos e pesca de sardinha em Fernando de Noronha, contrariando leis ambientais
Bolsonaro quer acabar com taxa ambiental cobrada no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha
Fernando de Noronha proíbe uso e venda de plásticos descartáveis

Fotos: divulgação Réveillon do Zé Maria e reprodução site EcoNoronha

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta