Beverly Hills é primeira cidade dos Estados Unidos a proibir venda de cigarros e produtos de tabaco

Beverly Hills é primeira cidade dos Estados Unidos a proibir venda de cigarros e produtos de tabaco

Foi uma decisão unânime. Na semana passada, o Conselho Municipal da cidade americana de Beverly Hills entrou em consenso pela proibição da comercialização de qualquer tipo de produto derivado do tabaco: cigarros (normais e elétricos), charutos, pastilhas com nicotina, além de narguilés e outros acessórios utilizados para fumar ou inalar.

A lei entrará em vigor em janeiro de 2021. Com ela, postos de gasolina, lojas de conveniência, farmácias (conhecidas como drugstores nos Estados Unidos) serão proibidos de vender derivados do tabaco, todavia, a comercialização será permitida em lounges de charutos e em hotéis.

“Somos uma cidade que assumiu a liderança para restringir o fumo e promover a saúde pública. Alguém tem que ser o primeiro, então sejamos nós”, afirmou o prefeito John Mirisch.

Califórnia contra o fumo

Em 2016, a Califórnia já tinha aprovado uma lei determinando que  só maiores de 21 anos podem fumar no estado. Até então, a idade mínima era 18 anos. A legislação restringiu também o uso de cigarros eletrônicos em locais públicos e aumentou a quantidade de áreas onde o fumo ficou proibido, como por exemplo, escolas.

Segundo o levantamento National Survey on Drug Use and Health, realizado em 2014, nos Estados Unidos, 90% dos usuários de cigarro afirmaram ter começado a fumar antes dos 21 anos. 80% deles disseram ainda que, provaram um cigarro pela primeira vez antes dos 18 anos.

Fumaça letal

O câncer é a doença que mais mata no mundo todo, tirando a vida de aproximadamente 8,2 milhões de pessoas por ano.

Entre os homens, os cinco tipos de câncer mais frequentes são pulmão, próstata, reto, estômago e fígado. A cada ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que aproximadamente 14 milhões de pessoas descubram que estão com a doença.

E quem são os grandes vilões para o aparecimento do câncer? Cerca de 1/3 dos casos diagnosticados são provocados por péssimos hábitos alimentares, assim como a falta de exerício físico, uso excessivo de álcool e o consumo de tabaco, mais especificamente, o cigarro.

O tabaco é responsável por 70% dos casos de câncer de pulmão.

*Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Beverly Hills e CNN

Leia também:
Poluição em cidades europeias faz com que turistas “fumem” mesmo sem querer
Em São Paulo, poluição mata muito mais que acidentes de trânsito, câncer de mama e Aids

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

2 comentários em “Beverly Hills é primeira cidade dos Estados Unidos a proibir venda de cigarros e produtos de tabaco

  • 17 de junho de 2019 em 8:59 AM
    Permalink

    Uma dúvida. Uma coisa é proibir venda de utensílios de plástico (copo, canudo etc), mas de cigarros? O objetivo é a restrição, mas se podem ser vendidos em lounges e hotéis, qual é a restrição? Mais, o governo interfere na liberdade do indivíduo porque cigarro é um risco a mais para o aparecimento do câncer, ok, mas então não deveria obrigar o indivíduo a praticar atividade física, comer melhor e, comparativamente ao cigarro, restringir também a venda de álcool?
    Veja, não estou criticando a medida, mas pensando na eficiência dela e em como essa questão da liberdade individual é uma linha tênue.
    Ficarei grato pelas suas reflexões e resposta.

    Resposta
    • 17 de junho de 2019 em 12:32 PM
      Permalink

      Jaylei,
      O grande volume dos cigarros é vendido nos locais onde a lei de Beverly Hills está focada: farmácias e lojas de conveniência. O comércio em lounges de charutos é muito restrito, assim como em hotéis. Vale lembrar que o tratamento de câncer pelo sistema público de saúde custa uma fortuna para o governo. Quem paga por este dinheiro? O contribuinte! Sim, fumar ou não é uma escolha individual, mas é a sociedade como um todo que paga pelo tratamento das pessoas vítimas de câncer e já não há como contestar as evidências de que o cigarro é um dos seus principais causadores.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta