Bebês só devem tomar suco de fruta depois de um ano, diz nova recomendação de pediatras americanos

Bebês só devem tomar suco de fruta depois de um ano, diz nova recomendação de pediatras americanos

Um relatório divulgado esta semana na publicação científica Pediatrics traz uma nova recomendação da Sociedade Americana de Pediatria: crianças só devem consumir sucos de frutas naturais depois de completar um ano de idade.

Segundo os médicos dos Estados Unidos, não há benefício nutricional nenhum para o bebê ao ingerir o suco. O recomendado é que ele coma a fruta, que além das vitaminas, mantem as proteínas e fibras do alimento. Ainda de acordo com os pediatras americanos, o consumo de sucos estariam contribuindo para o crescimento da obesidade infantil.

Durante os seis primeiros meses de vida, tudo o que é uma criança necessita é o leite materno. Mas, tradicionalmente, a inclusão do suco de fruta era indicada pelos pediatras na dieta dos bebês após esta fase, como fonte de vitamina C e água, juntamente com as primeiras papinhas sólidas.

Todavia, de acordo com o relatório recém-divulgado, apesar de saudável, a grande quantidade de açúcar contida nos sucos (mesmo que naturais!) aumenta a ingestão de calorias e o aparecimento de cáries.

Pesquisas revelam que crianças e adolescentes, entre 2 e 18 anos, são os maiores consumidores deste tipo de bebida. Infelizmente, o que isto significa é que eles acabam trocando o alimento in natura pelo suco e deixando de absorver nutrientes importantes encontrados somente na fruta inteira.

Um exemplo dado é o de que um copo de 115 gramas de suco de maçã, por exemplo, tem 60 calorias, 13 gramas de açúcar e nenhuma fibra. Já a metade uma maçã, cortada em fatias, possui 1,5 grama de fibra, 5,5 gramas de açúcar e metade das calorias, 30.

O novo estudo da Sociedade Americana de Pediatra sugere que, mesmo depois do primeiro ano, o consumo de sucos de frutas deva ser controlado. “Precisamos ensinar as crianças a comerem alimentos frescos. Se você assumir que o suco é igual a fruta, então você não irá passar a mensagem certa”, afirmou Steven Abrams, principal autor do artigo e professor de pediatria na Universidade do Texas, nos Estados Unidos, em entrevista ao jornal americano The New York Times.

Esta é a primeira mudança na lista de recomendação da entidade de pediatras americanos nos últimos 16 anos. O relatório nem cita sucos artificiais, que são uma bomba de açúcar.

Leia também:
Reino Unido anuncia imposto sobre açúcar para indústria de bebidas
Proibida publicidade que interfira na amamentação infantil
Coca-Cola, Pepsi e Ambev não venderão mais refrigerantes em escolas infantis
Será que a carne do hamburguer que você está comendo tem antibióticos?
Alimentação saudável na adolescência 

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta