Bebês nascidos de cesariana têm mais chances de serem crianças e adultos obesos, aponta estudo

bebes-cesariana-obesidade-800

Um novo estudo realizado com 22 mil pessoas nos Estados Unidos acaba de indicar uma relação entre cesariana e obesidade. Segundo os pesquisadores, bebês nascidos através do procedimento cirúrgico, e não do parto natural, têm 13% mais chances de se tornarem crianças, adolescentes e adultos obesos.

De acordo com os médicos envolvidos no trabalho, publicado pela JAMA Pediatrics, no início deste mês, a passagem pelo canal vaginal da mãe seria essencial para a absorção de alguns microorganismos benéficos para a saúde do recém-nascido. Em relação àqueles que passaram por uma cesariana, nenês nascidos de parto normal possuem maior quantidade de bactérias como as bifidobactérias, importantes para o equilíbrio da flora intestinal e também para aumentar algumas funções imunes, entre elas, a ativação de linfócitos e produção de anticorpos.

A pesquisa “Association Between Cesarean Birth and Risk of Obesity in Offspring in Childhood, Adolescence, and Early Adulthood” faz parte de um grande estudo sendo conduzido nos Estados Unidos nos últimos 20 anos: o GUTS – Growing Up Today Study. Quando começou em 1996, o objetivo dele era descobrir como a dieta alimentar e a prática de exercícios físicos influenciavam a obesidade. Com o passar do tempo, o foco da pesquisa foi ampliado. Hoje são levados em conta fatores como fazer parte de minorias (étnicas, sociais, econômicas), uso de drogas e álcool, autoestima e condições de moradia.

Atualmente participam do Guts médicos, cientistas e estatísticos de renomados hospitais americanos como Harvard Medical School,  Harvard T.H. Chan School of Public Health, Boston Children’s Hospital e instituições de ensino e pesquisa como Amherst College, Brown University, San Diego State University e University of Guelph.

O estudo que avaliou a relação entre cesariana e obesidade revelou outro achado interessante. Quando as mães não tinham indicação médica para o parto cirúrgico, as crianças apresentaram ainda maior tendência ao sobrepeso futuramente. Ao serem comparados com outros menores, que passaram pelo parto natural, os primeiros têm 30% mais chance de serem obesos entre os 9 e 28 anos, afirma a pesquisa.

É bom ressaltar que o tipo de parto não foi o único ponto analisado pelo levantamento. Foram levados em conta ainda fatores como a massa corporal da mãe, na época do parto, e outros indicadores.

Vale deixar bem claro ainda, que o parto por cesariana – quando necessário e indicado pelo obstetra – reduz o risco de mortalidade materna e infantil. Muitas vezes, sem ele, não há chance de sobrevida para o bebê.

O grande problema, entretanto, é que o procedimento cirúrgio, em detrimento do parto natural, virou uma prática abusiva e epidêmica. Só nos Estados Unidos, são 1,3 milhão de cesáreas realizadas por ano, ou seja, 1/3 de todos os bebês que nascem naquele país chegam ao mundo desta maneira.

No Brasil, os números são ainda mais alarmantes. O país é o líder mundial em cesáreas. Aqui, mais da metade dos bebês nascem através de procedimento cirúrgico. Nos hospitais particulares, eles chegam a representar quase 85% dos nascimentos, enquanto que a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que eles fiquem entre 10% e 15% dos partos.

No ano passado, entrou em vigor no país uma série de medidas para tentar aumentar o número de partos normais. Com elas, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) obriga as gestantes a assinar um termo de consentimento sobre os perigos da cirurgia para que os custos da cesariana sejam pagos pelas empresas de plano de saúde, que também terão de informar a taxa de cesáreas e de partos normais dos médicos e hospitais, caso sejam questionadas pelos segurados.

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta