Bahia joga partida com camisas manchadas de óleo, que foram leiloadas para arrecadar fundo de apoio à limpeza das praias

O engajamento do clube baiano já é conhecido. Aqui, no Conexão Planeta, já falamos da celebração pelo Dia da Consciência Negra, em 2018, e pela demarcação das terras indigenas, este ano. Agora, o Esporte Clube Bahia publica manifesto em defesa das praias do Nordeste, atingidas por vazamento de petróleo desde o final de agosto e, também, em protesto contra a inação do governo.

Também mandou confeccionar camisetas com manchas negras que remetem ao óleo que polui a água, a areia, as pedras, corais e animais do litoral nordestino. Elas foram usadas pelos jogadores do time na partida contra o Ceará, na segunda, 21/10, em Salvador. Este time, por sua vez, usou luvas pretas em protesto (foto abaixo), como indicou em seu Twitter.

Todas as camisetas do Bahia foram leiloadas e a renda obtida com a ação será doada para grupos de ativistas que estão ajudando a combater a maior tragédia ambiental do litoral brasileiro, com a organização de mutirões de limpeza das praias.

“A ideia surgiu porque estávamos incomodados sobretudo com ausência de resposta do governo ao impacto que está causando. Entendemos que é algo de interesse de saúde pública e, por isso, não poderia passar sem discutir. Vamos ajudar quem está tomando para si a função que deveria ser do Estado”, disse Tiago Cesar, um dos coordenadores do núcleo de ações afirmativas do clube, ao jornal O Estado de São Paulo.

Abaixo, os tweets do Bahia, anunciando o manifesto e a confecção das camisetas e do Ceará, contando sobre o uso das luvas e sua posição perante o crime ambiental.

O Twitter do clube tem 1,4 milhão de seguidores e o tweet com o protesto contra o vazamento de óleo gerou mais de 23 mil compartilhamentos, quase 80 mil curtidas (veja acima) e mais de 2,5 milhões de visualizações. A maior parte dos comentários apoiava a manifestação, mas teve quem encarou a iniciativa como ideológica, geralmente os apoiadores de Bolsonaro.

Devido à boa repercussão nas redes sociais, a quantidade de torcedores que queriam participar do leilão derrubou o site do clube. Em breve, as camisetas “manchadas de óleo” também serão vendidas pelo site.

As manchas de óleo – petróleo cru – surgiram, primeiro, nas praias da Paraíba, se alastrando para o litoral de nove estados nordestinos, causando a morte de animais marinhos e impacto na economia das cidades. Cerca de 200 praias já foram atingidas, entre elas as da Bahia: em Itacaré, Vera Cruz, Salvador (e praias próximas) Itaparica, Jandaíra, Lauro de Freitas, Mata de São João, Conde, Camaçari, Entre Rios e Esplanada. As manchas começaram a aparecer no início deste mês e o governo já decretou estado de emergência.

Agora, leia o texto do Manifesto do Bahia, assinado por Tiago Cesar, na íntegra:

“O problema é seu. O problema é nosso.
Quem derramou esse óleo? Quem será punido por tamanha irresponsabilidade? Será que esse assunto vai ficar esquecido?
O Bahia é você, somos nós, cada ser humano.
É a forma como representamos o amor, o apego, o chamego, o sagrado, a justiça. O Bahia é a união de um povo que vibra na mesma direção, que respira o mesmo ar e que depende da mesma natureza para existir, para sobreviver.
Jogaremos nesta segunda-feira (21), contra o Ceará, em Pituaçu, com a camisa do Esquadrão manchada de óleo.
Um convite à reflexão: o que faz um ser humano atacar e destruir espaços sagrados? O lucro a qualquer custo pode ser capaz de destruir a ética e as leis que regem e viabilizam a humanidade?
A barbárie deve ser tratada como tal, não como algo natural“.

Fotos: Divulgação/Bahia e Israel Simonton/Divulgação Ceará

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta