Australiana, que resgatou coala em meio a chamas e emocionou o mundo, se reencontra com animal no hospital

Australiana, que resgatou coala em meio a chamas e emocionou o mundo, se reencontra com animal no hospital

*Atualizado em 26/11/19

Esta manhã, o Koala Hospital Port Macquarie anunciou, em sua página do Facebook, que o coala resgatado no incêndio não resistiu aos ferimentos. “Hoje tomamos a decisão de colocar Lewis para dormir. O colocamos sob anestesia geral seus ferimentos e trocar os curativos… Infelizmente, as queimaduras tinham piorado… O objetivo número um do hospital é o bem-estar dos animais, foi com base nisso, que a decisão foi tomada”.

Segue abaixo o texto original da reportagem.

————————————————————————————————-

Não há como não se emocionar e conter as lágrimas ao assistir ao vídeo ao final desta reportagem. Em meio a um dos muitos focos de incêndio que estão devastando a Austrália, Toni Doherty não pensou duas vezes e seguiu seu coração: tirou a camisa e não se intimidou com as chamas para salvar um coala.

O animal estava desorientado, com a pata traseira em chamas, e chorava muito. A australiana o envolveu em sua camisa e banhou o pequeno coala com água para conter o fogo.

O vídeo mostrando o sofrimento do animal e a corajosa atitude da australiana comoveu milhões de pessoas no mundo inteiro. Há poucos dias, escrevi aqui, em outra reportagem, como centenas de coalas já morreram devido aos incêndios florestais que se alastram pela Austrália.

De acordo com a Koala Conservation Australia, mais da metade da população da espécie que vivia na Reserva Natural do Lago Innes, em New South Wales, morreu. Estima-se que entre os 500 ou 600 coalas que habitavam ali, 350 não sobreviveram ao fogo. Os demais foram levados a hospitais veterinários, onde estão sendo hidratados e tendo seus ferimentos cuidados.

O coala que comoveu o mundo está no Koala Hospital Port Macquarie e foi batizado de Lewis, em homenagem ao neto de Toni. O animal sofreu graves queimaduras em diversas partes do corpo – patas, boca e focinho. Apesar disso, os veterinários estão animados porque ele está se alimentando bem.

Ontem Lewis recebeu a visita de Toni, que recebeu um carinhoso abraço e um ‘muito obrigado’ da equipe que cuida do coala.

Australiana, que resgatou coala em meio a chamas e emocionou o mundo, se reencontra com animal no hospital

Um dos muitos coalas sendo tratados no hospital veterinário

Os coalas já enfrentam uma situação extremamente difícil na Austrália. Conforme noticiamos aqui, em maio, eles foram declarados “extintos funcionalmente” porque são tão poucos, que não têm mais papel no ecossistema. Os biólogos dizem também que o declínio da população compromete a segurança e a variação genética da espécie, já que o acasalamento, muitas vezes, ocorre entre “parentes” muito próximos.

Assim como na Califórnia, incêndios florestais sempre foram comuns na Austrália. As duas regiões estão localizadas em áreas de deserto do planeta, e durante o verão, com as temperaturas altas, os focos de fogo se propagam facilmente.

Todavia, em ambos os países, especialistas do clima alertam que, por causa das alterações no clima da Terra, cada vez mais, esses incêndios começam mais cedo, se estendem por períodos mais longos e se tornam mais devastadores.

Leia também:
Um milhão de espécies estão ameaçadas de extinção, revela novo e alarmante relatório internacional
Tempestades intensas e perda de vida marinha já são inevitáveis, afirma novo relatório do IPCC
#EverydayClimateChange: as mudanças provocadas pela crise climática através das lentes de fotógrafos dos cinco continentes

Foto: reprodução internet e vídeo The Sun

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta