Austrália: quatro meses de incêndios, devastação e mortes

Austrália: quatro meses de incêndios, devastação e mortes

*Texto atualizado em 11/01/20

Incêndios florestais sempre foram comuns na Austrália. Durante o verão, com as temperaturas altas, o ar seco e o vento forte, o fogo se propaga facilmente. Em 2009, 173 pessoas morreram em Victoria, no chamado ‘sábado negro’, até então, considerado o pior desastre já registrado.

Mas os últimos meses de 2018 e o início de 2019 também parecem que vão ficar registrados na história, porque poucas vezes antes, os australianos enfrentaram tamanha tragédia.

Nesta temporada, os incêndios começaram em setembro do ano passado. Até este momento, 27 pessoas perderam a vida, mais de mil coalas morreram e 10 milhões de hectares de vegetação foram destruídos.

E os meses mais quentes do verão, janeiro e fevereiro, ainda nem começaram. A região de New South Wales é uma das mais afetadas. Cerca de 1.300 casas foram queimadas e outras 400 danificadas. Em diversas cidades, milhares de pessoas foram obrigadas a deixar tudo pra trás e procurar abrigo em outros lugares. Longas filas de carros têm se formado nas estradas, com moradores tentando escapar do fogo.

Há aproximadamente 2 mil bombeiros combatendo os focos de incêndio em New South Wales (dois morreram na semana passada), além de homens enviados dos Estados Unidos, Canadá e Nova Zelândia, especialmente para ajudar na árdua tarefa. Desde dezembro, o governo local declarou ‘estado de emergência’.

Austrália: quatro meses de incêndios, devastação e mortes

O olhar do bombeiro sobre as chamas sem controle

Tragédia nacional

Desde a segunda quinzena de dezembro, os mais importantes parques nacionais da Austrália fecharam para a visitação pública. Segundo as autoridades, eles só serão reabertos quando for seguro novamente.

Mesmo longe das áreas rurais, grandes centros urbanos, como Sidney e Melbourne também foram afetados. Nas últimas semanas, uma densa camada de fumaça tomou o céu dessas cidades, tornando a qualidade do ar muito ruim e insalubre para a população.

Austrália: quatro meses de incêndios, devastação e mortes

O fogo já destruiu 6 milhões de hectares de vegetação

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, está sendo duramente criticado e hostilizado pela população, que o condena por não tomar medidas eficientes para controlar a tragédia e também, por sua política que ignora os efeitos das mudanças climáticas.

Infelizmente, a previsão dos meteorologistas para os próximos dias não é boa. A temperatura deve passar dos 40o graus amanhã e no sábado e o temor é que as chamas se alastrem ainda mais.

*Texto alterado para atualizar número de mortos e volume da vegetação destruída

Leia também:
Australiana, que resgatou coala em meio a chamas e emocionou o mundo, se reencontra com animal no hospital
Coalas são declarados “extintos funcionalmente”: são tão poucos, que não têm mais papel no ecossistema
Vídeo impressionante mostra dimensão do impacto dos incêndios no planeta em 2019

*Com informações da CNN e The Guardian

Fotos: NSW National Parks and Wildlife Service/ Kyle Gibson e John Spencer (bombeiro na frente do fogo)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

5 comentários em “Austrália: quatro meses de incêndios, devastação e mortes

  • 3 de janeiro de 2020 em 1:36 PM
    Permalink

    Boa tarde, vocês articulistas tem que voltar para os bancos escolares. Aritmética e Sistemas de Unidades fazem bem à mente. Em quatro meses os incêndios na Austrália devastaram uma área IGUAL a que a Amazonia perdeu em 10 ANOS (uma década como vocês escrevem). Façam as contas por favor e divulguem alguma coisa verdadeira, porque o Macron e seus semelhantes estão calados, ou quase mudos com tanta evidência. Grato

    Resposta
    • 3 de janeiro de 2020 em 4:15 PM
      Permalink

      Prezado Waldemar,
      Os números que divulgamos são baseados nas fontes, confiáveis, que indicamos ao final do texto. Basta ir lá e conferir.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta
  • 6 de janeiro de 2020 em 5:37 PM
    Permalink

    O céu ele está vermelho de sangue aí , mas com um tempo será q acaba essa queimada e as nuvens voltam ao normal , ou vai demorar muito pra q essas queimadas acabem ?😪

    Q Jesus fique no controle de tudo, e ajude cada um q está aí .

    Resposta

Deixe uma resposta