Atrizes protestam contra ditadura do salto alto no Festival de Cannes

julia roberts protesta contra uso salto alto em cannes

Linda, poderosa e … sem salto! Foi assim que a atriz Julia Roberts desfilou pelo carpete vermelho de Cannes, durante a estreia de seu filme, no badalado festival francês de cinema na semana passada. Ao lado de George Clooney, Julia vestia um vestido deslumbrante, mas descalça. E não foi só ela. As atrizes Kristen Stewart, da saga Crepúsculo, e Sasha Lane também aderiram ao pé descalço.

O protesto das atrizes é porque no ano passado, várias mulheres foram barradas no evento porque não estavam usando salto alto durante a exibição do filme Carol, que ironicamente, falava justamente sobre a liberação feminina e o homosexualismo entre mulheres. Depois do ocorrido, em 2015, os organizadores de Cannes pediram desculpas, mas ainda assim, Julia, Kristen e Sasha decidiram protestar agora em 2016.

“Para ser sincera, todo mundo deveria usar sapato baixo. Não deviamos colocar salto alto. Este tipo de incidente é muito decepcionante, principalmente quando você pensa que estamos tentando entrar numa nova era de igualdade de gêneros”, afirmou a atriz Emily Blunt.

“Eles (os homens) também têm que usar salto alto? Devia funcionar da mesma maneira.  Não dá para aceitar que se exija uma coisa somente de um lado. Entendo a exigência da roupa de gala, mas a obrigatoriedade do salto alto é completamente sem sentido”, criticou Kristen Stewart.

A verdade é que a mulher continua sendo tratada de maneira diferente do homem em nossa sociedade, em pleno século 21. O salto alto é apenas um exemplo. Ele é lindo, muitas mulheres adoram colocar um sapato deste estilo, mas obrigar que elas o vistam é um absurdo!

Na semana passada, uma profissional de 27 anos acusou uma empresa de contabilidade de Londres a obrigá-la a usar salto alto, caso contrário ela seria demitida. A notícia teve grande repercussão na Inglaterra. Segundo Nicola Thorp disse à BBC, sua chefe riu ao ela dizer que não pretendia usar salto. Como é recepcionista, ela teria que ficar em pé durante aproximadamente nove horas por dia.

Especialistas afirmam que o uso prolongado de salto alto pode provocar graves danos à saúde da mulher. Entre eles estão o aparecimento de artrite e osteoporose e problemas lombares.

Muito além do salto alto

Segundo a UN Women, organização das Nações Unidas pela Igualdade de Gêneros e Empoderamos da Mulher, em 76 países do mundo a relação entre duas mulheres ainda é considerada um crime. Ainda hoje, uma em cada três mulheres afirma já ter sofrido violência física ou sexual.

No mercado de trabalho, as mulheres também continuam sendo tratadas de maneira desigual e injusta. Elas ganham menos do que eles. E o pior, ainda há a chamada “penalidade da maternidade”. Quando mulheres se tornam mães, a diferença salarial aumenta ainda mais, em relação aos colegas do sexo masculino.

A campanha #Planet5050, da UN Women, defende que até 2030, mulheres tenham direitos iguais aos dos homens.

Leia também:
#ViajoSozinha: pelo fim da violência, discriminação e desrespeito às mulheres
O que você quer no Dia Internacional da Mulher?
Vidas refugiadas: exposição fotográfica retrata cotidiano de mulheres de diversas nacionalidades
#OrangeTheWorld: mundo se ilumina de laranja pelo fim da violência contra as mulheres

Foto: reprodução internet E-News

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Um comentário em “Atrizes protestam contra ditadura do salto alto no Festival de Cannes

Deixe uma resposta