As minorias que são as maiorias

minorias que são maiorias

O jornalista Rogério Galindo é formado pela Universidade Federal do Paraná. Quando ainda estava na faculdade pensava em trabalhar com jornalismo cultural, mas acabou seguindo um caminho mais óbvio: o jornalismo político.

Óbvio porque nascido em plena ditadura militar, em 1975, o avô de Galindo era filiado ao Partido Comunista e teve que fugir da repressão. Os pais foram filiados ao MDB (Movimento Democrático Brasileiro). Logo a política foi um assunto corrente na infância dele.

Foi repórter e hoje assina um blog no jornal paranaense Gazeta do Povo, o Caixa Zero, leitura obrigatória dos políticos e de quem quer estar por dentro da política…

Na entrevista com o Brasil de Cor, Rogério Galindo analisa o atual momento político brasileiro, fala da Operação Lava Jato e dos candidatos à presidência.

Mas o Caixa Zero também fala de Direitos Humanos. O blog conta histórias de mulheres, negros, grupos LGBTs. Galindo define: “Procuro mostrar os problemas das minorias – na verdade, algumas maiorias que não são respeitadas como tal e sofrem preconceito, discriminação”.

Foto: Pablo M.F./Creative Commons/Flickr

Jornalista há 30 anos, é formado em Comunicação Social na Universidade Federal do Paraná. Em 1986, começou a carreira em televisão, primeiro como repórter e mais tarde, editor e apresentador. Trabalhou nas Redes Globo e Record. Em 2015, montou sua própria empresa, a Sobrequasetudo Comunicação e Arte, especializada em media training. Em 2017, criou o Brasil de Cor, um canal para dar oportunidade e visibilidade a negros brasileiros

Herivelto Oliveira

Jornalista há 30 anos, é formado em Comunicação Social na Universidade Federal do Paraná. Em 1986, começou a carreira em televisão, primeiro como repórter e mais tarde, editor e apresentador. Trabalhou nas Redes Globo e Record. Em 2015, montou sua própria empresa, a Sobrequasetudo Comunicação e Arte, especializada em media training. Em 2017, criou o Brasil de Cor, um canal para dar oportunidade e visibilidade a negros brasileiros

Deixe uma resposta