Artistas protestam em clipe contra implantação de complexo industrial na Ilha do Mel, no litoral do Paraná

Letícia Sabatella, Guta Stresser, Katiuscia Canoro, Grace Gianoukas, Leandro Daniel, Bruce Gomlevsky e Ilva Niño são alguns dos nomes que se uniram, em um clipe, ao “artivistas” do movimento “#ParePresteAtenção!” para denunciar uma ameaça à Ilha do Mel, o segundo ponto turístico mais visitado do Paraná (atrás apenas de Foz do Iguaçu) e declarada Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Localizada na Baía de Paranaguá, a Ilha do Mel tem mais de 2.500 hectares de área composta por sistemas de restinga e Floresta Atlântica, protegidas e destinadas exclusivamente à preservação integral da flora e da fauna.

Mas toda esta reserva de proteção está em risco. Há um projeto para a  construção de um complexo industrial e um porto privado em frente à Ilha do Mel. Segundo o Observatório de Justiça e Conservação, uma das instituições que apoia a campanha #SalveAIlhaDoMel, o governo do Paraná pretende colocar abaixo mais de quatro milhões de metros quadrados de Mata Atlântica, em extinção, para construir uma estrada que atenderia ao intenso fluxo de caminhões do futuro porto.

“Diversas ilegalidades vêm sendo praticadas para beneficiar poucos, condenar a sobrevivência de culturas e comunidades tradicionais que vivem há séculos no local e a prejudicar irreversivelmente a vocação turística de uma região com biodiversidade e características únicas no mundo”, denuncia a entidade.

A campanha em defesa da Ilha do Mel já tem o apoio de mais de 20 organizações nacionais e até internacionais, como a Sea Shepherd. De acordo com os responsáveis pela iniciativa, o governo paranaense tem feito enorme esforço para tentar viabilizar as obras, que, no início, custariam aos cofres públicos R$ 369 milhões. O valor seria dedicado para a construção de um canal de drenagem e da chamada “Faixa de Infraestrutura”, que compreende a estrada. Dinheiro público que poderia ser investido em turismo, saúde, segurança, educação, mas que pode ser usado para beneficiar um empreendimento privado.

Artistas protestam em clipe contra implantação de complexo industrial na Ilha do Mel, no litoral do Paraná

A cantora e compositora Raissa Fayet foi quem dirigiu e produziu o “clipe manifesto”, que você assiste mais abaixo. Frequentadora da Ilha do Mel há 33 anos, lembra que permitir a instalação de um novo porto em Pontal do Paraná, a alguns metros da Ilha, é ser conivente com a condenação da vocação turística do local e com a extinção da biodiversidade na região. “Esgotamos os recursos naturais por conta da ambição. Agora, o momento precisa ser de união. Esperamos que todas as pessoas que lutam por causas coletivas de modo isolado unam-se. Só assim é possível ter força para mudar esse sistema em que a gente não acredita mais”, diz.

Você também pode pressionar o governo do Paraná a não permitir este crime contra a Ilha do Mel. Acesse já a página #SalveAIlhaDoMel e envie um e-mail, pedindo a revisão do projeto. Já são quase 125 mil mensagens! Só falta a sua!

Imagens: divulgação campanha #SalveAIlhaDoMel

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta