Polos Norte e Sul perdem área de gelo do tamanho da Índia

polos norte e sul perdem gelo

Porções de mar congelado que somadas têm o tamanho da Índia (3,8 milhões de quilômetros quadrados) desapareceram do Ártico e da Antártida no mês de novembro, graças às altas temperaturas do ar e do mar e a mudanças nos ventos.

Segundo o Centro Nacional de Dados de Gelo e Neve (NSIDC) dos Estados Unidos, o mês bateu o recorde de redução de gelo em ambos os polos.

No Ártico, a área de gelo marinho medida por satélites em novembro foi de 9,08 milhões de quilômetros quadrados, 1,95 milhão de quilômetros quadrados abaixo da média de 1981 a 2010.

O mês geralmente é de crescimento na área de gelo, já que a partir de outubro as temperaturas despencam e o sol desaparece acima do Círculo Polar. No entanto, o que se viu em novembro, além de um recongelamento menor, foi uma diminuição da área congelada, algo que só aconteceu uma vez antes (em 2013) em todo o período desde que as medições por satélite começaram, na década de 1980.

De acordo com os cientistas do NSIDC, este é o sétimo mês neste ano a bater o recorde negativo de gelo marinho no Ártico. “Parece que foi um golpe triplo”, disse Julienne Stroeve, pesquisadora do NSIDC. Segundo ela, a culpa pode ser atribuída a um oceano mais quente, a ventos que vieram do sul e a temperaturas do ar mais altas em várias porções do Ártico. Na região a nordeste da Groenlândia, por exemplo, as temperaturas bateram 10oC acima da média para o período.

Na Antártida, o mar congelado (que está derretendo com a proximidade do verão) diminuiu mais rápido e mais cedo no mês. A extensão média foi de 14,54 milhões de quilômetros quadrados, 1,81 milhão de quilômetros quadrados abaixo da média de 1981 a 2010.

Diferentemente do Ártico, na Antártida existe pouco gelo marinho permanente, e não havia até agora uma tendência de redução – ao contrário, o gelo marinho na maior parte do continente vinha aumentando no inverno, algo que os cientistas atribuem a mudanças nos ventos causadas pelo buraco na camada de ozônio.

Neste mês de novembro, porém, o Oceano Austral saiu da casinha. Temperaturas do ar de 2oC a 4oC maiores que a média e mudanças ne circulação atmosférica estão provavelmente por trás da alteração.

“O Ártico geralmente é o que atrai mais nosso interesse, mas neste mês (novembro), a Antártida inverteu o script e é o gelo do sul que está surpreendendo”, afirmou em comunicado Walt Meier, pesquisador da Nasa e do NSIDC.

Leia também:
Polo Norte registra temperatura 20oC acima da média para esta época do ano
Filhote de urso polar fica com lata de metal presa na boca em reserva no Ártico
Com urso polar gigante, Ema Thomposon protesta contra exploração de petróleo no Ártico
O pianista italiano Ludovico Einaudi compõe e toca pela proteção do Ártico

*Texto publicado originalmente em 06/12/2016 no site do Observatório do Clima

Foto: domínio público/pixabay

Deixe uma resposta