Arquipélago de Alcatrazes, no litoral de SP, é aberto para mergulho e visitação de barco


Arquipélagos de Alcatrazes, no litoral de SP, é aberto para mergulho e visitação de barco

Situado a 43 km da costa de São Sebastião, no estado de São Paulo, o Arquipélago de Alcatrazes, com suas 13 ilhas, foi declarado oficialmente pelo governo federal Refúgio de Vida Silvestre no ano passado (leia mais aqui). 

A Unidade de Conservação marinha, a segunda maior do país, é área de proteção de peixes, répteis, anfíbios e aves. Muitas deles estão ameaçados de extinção. É também nas águas de Alcatrazes que tartarugas marinhas encontram alimentos e descanso, como por exemplo, a tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata) e a tartaruga-verde (Chelonia mydas).

São mais de 1.300 espécies descritas de flora e fauna no local. Destaque especial para as aves: mais de 100 espécies, dentre visitantes e residentes, estando ali um dos maiores “ninhais” do Brasil: são fragatas (Fregata magnificens), atobás (Sula leucogaster) e gaivotões (Larus dominicanus).

Alcatrazes é um refúgio da vida silvestre

Juntos, o Refúgio Silvestre e a Estação Ecológica Tupinambás, que fazem parte do Núcleo de Gestão Integrada ICMBio Alcatrazes, são responsáveis por conservar a riquíssima biodiversidade do arquipélago.

A estação ecológica é uma área de abrigo, reprodução e alimentação de espécies locais. Vivem lá a toninha e a raia-viola, ambas com declínio de suas populações.

Desde dezembro, este paraíso natural está aberto à visitação pública. Os turistas podem fazer mergulhos e passeios de barco. Mas para conhecer a região, é preciso utilizar as operadoras autorizadas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela gestão do arquipélago (veja lista ao final deste post).

Os horários de visitação são de quarta a domingo, das 8h às 16h.

As operadas de turismo escolhidas para trabalhar em Alcatrazes passaram por processo de treinamento, para que seguissem as normas criadas, tanto para minimizar os impactos do turismo nesse ecossistema, como em sua vida marinha. Segundo o ICMBio, “foi elaborado um vídeo de sensibilização e divulgação das normas padronizando as informações para os visitantes, as embarcações autorizadas passaram por adequações para retenção total de resíduos e atendimento as normas de segurança da Marinha do Brasil. Para evitar danos aos ambientes recifais e proporcionar maior segurança à operação foram instaladas poitas para parada das embarcações no arquipélago”.

Além de promover o ecoturismo e a importância da conservação ambiental, a abertura do Arquipélago de Alcatrazes ao público contribui para o desenvolvimento da economia da região, promove a inclusão social e valoriza a cultura local.

Empresas operando no Refúgio de Alcatrazes

Colonial Diver
cdiver@terra.com.br – telefone – 12 3894-9459 / 12 97407-6663

Oceano Sub Atividades Subaquáticas
junior@oceanosub.com.br  telefone – 11 4256-1617 / 11 94909-3335

Universo Marinho
andreoli@universomarinho.com.br 12 3862-2212 / 12 97404-5039

*Com informações do ICMBio

Leia também: 
Parque Nacional Chapada dos Veadeiros terá apoio financeiro da iniciativa privada, com gestão do ICMBio
Parques do Brasil: agora, na palma da mão, informações completas de 30 unidades de conservação. E, no ano que vem, tem mais!
Novo parque ecológico tem passarela e bondinho que levam visitantes pra dentro da Mata Atlântica
Brasil ganhará o Museu da Natureza, dentro do Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí 

Fotos: divulgação ICMBio

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta