Aquecimento global: a hora de agir é AGORA!


Aquecimento global: a hora de agir é AGORA!

Não há mais tempo a perder. Esta é principal mensagem que os mais importantes cientistas do clima revelam com a divulgação do novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) feita ontem (07/10), em Incheon, na Coreia.

Este é um dos documentos mais aguardados dos últimos anos, pois os especialistas fazem uma previsão sobre o que a humanidade poderá enfrentar caso continue liberando na atmosfera o mesmo volume de dióxido de carbono (CO2) das últimas décadas e com isso, contribuindo cada vez mais para o aquecimento da superfície da Terra.

“Limitar o aquecimento global a 1,5oC requer mudanças urgentes e sem precedentes em todos os aspectos da sociedade, com benefícios claros para as pessoas e os ecossistemas naturais”, afirma o relatório.

O estudo contou com a participação de 91 autores e editores de mais de 40 países, que analisaram mais de seis mil artigos científicos e ouviram a opinião de uma série de experts internacionais.

“Uma das mensagens mais importantes e que aparece como destaque neste relatório é que já estamos sentindo as consequências do aumento de 1oC na temperatura da Terra através dos extremos climáticos, da elevação do nível dos oceanos e a redução do gelo no Ártico”, alertou Panmao Zhai, co-chair do Grupo de Estudos I do IPCC.

O aumento de 1oC a que Zhai se refere é aquele comparado à temperatura da era pré-industrial, quando essas medições começaram a ser feitas. Desde então, o planeta ficou 1oC e o que os especialistas afirmam é que, até 2100, ele não deve passar de 1,5oC. Este foi exatamente o ponto acordado entre os países signatários do Acordo de Paris, feito há dois anos, na França.

Infelizmente, desde lá, o presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo (vale lembrar que os americanos são o segundo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, ficando atrás somente dos chineses). Aqui no Brasil, o candidato à presidência, Jair Bolsonaro, também disse durante a campanha que “caso fosse ruim para o Brasil, ele tiraria o país do acordo (leia mais sobre a declaração neste outro post).

O atual relatório do IPCC aponta, justamente, o que poderá ser evitado se conseguirmos limitar o aquecimento do planeta a 0,5oC. Por exemplo, “apenas” meio grau pode indicar um aumento do nível do mar 10 cm menor e “somente” de 70% a 90% dos recifes de corais desapareceriam.

“Qualquer ajuda se faz necessária, especialmente quando o aquecimento de 1,5oC aumenta os riscos associados com mudanças irreversíveis ou de longo termo, como a perda de alguns ecossistemas”, diz Hans-Otto Pörtner, co-chair do Grupo de Estudos II do IPCC.

Os cientistas afirmam, entretanto, que mudanças já estão sendo feitas. Mas é preciso agilizá-las, sobretudo, nas áreas energética, de transportes, da indústria e da construção civil.

Leia também:
Tufão nas Filipinas, furacão nos Estados Unidos… Efeitos do aquecimento global?
“Não elejam líderes que não acreditam na ciência”, suplica Harrison Ford
Acidificação dos oceanos deve se intensificar nas próximas décadas
Mudanças climáticas poderão extinguir 10% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica
Forças naturais da Terra estão sendo mudadas de maneira irreversível pelas mudanças climáticas, alertam cientistas

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta