Aprovada norma que obriga informação sobre alergênicos nos rótulos


imagem campanha pôe no rótulo

Foi aprovada hoje (24/06) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a nova regulamentação que estabelece que todos os produtos alimentícios informem de maneira clara em seus rótulos se possuem em sua composição algum dos 17 alimentos considerados de alto risco para pessoas que sofrem com alergias. São eles: trigo (centeio, cevada, aveia e suas estirpes hibridizadas); crustáceos; ovos; peixes; amendoim; soja; leite de todos os mamíferos; amêndoa; avelã; castanha de caju; castanha do Pará; macadâmia; nozes; pecã; pistaches; pinoli; castanhas; e látex natural.

A aprovação da resolução junto à Anvisa é uma vitória do movimento Põe no Rótulo, formado por um grupo de famílias mobilizadas, que conseguiu o apoio de milhares de pessoas nas redes sociais e na mídia com sua campanha para que a presença de alérgenos ganhasse destaque na embalagem dos produtos. Em menos de 6 meses de campanha, foram mais de 4.500 assinaturas pedindo pela regulamentação. O debate público, promovido pela Anvisa no ano passado, recebeu mais de 3.500 contribuições.

Agora as indústrias têm 12 meses, a partir da publicação da norma no Diário Oficial, para se adequarem à nova regulamentação. O texto diz que os rótulos são obrigados a ressaltar os alergênicos em caixa alta, em negrito, com fonte de no mínimo 2 milímetros.

A Anvisa estabeleceu ainda que quando houver o risco da chamada “contaminação cruzada da alimentos”, ou seja, a presença de um alérgeno não adicionado intencionalmente, o fabricante tem obrigação de alertar o consumidor com a seguinte frase: Alérgicos: Pode conter (nomes comuns dos alimentos que causam alergias alimentares).

Só nos Estados Unidos, onde há estatísticas mais precisas sobre este grave problema, que passa despercebido em muitos consultórios médicos, os pesquisadores estimam que 15 milhões de americanos sofram com alergias alimentares. Naquele país, de cada 13 crianças com menos de 18 anos, uma possui algum tipo de restrição a certo alimento. A cada três minutos, uma pessoa alérgica é internada no pronto socorro – são mais de 200 mil internações por ano.

Quem sofre alergias alimentares pode apresentar sintomas leves, como coceiras pelo corpo, até os mais graves, como um choque anifilático, que pode levar à morte. Nestes casos, informação é essencial e pode salvar muitas vidas: #poenorotulo já!

Imagem: divulgação Põe no Rótulo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta