Aprovada lei que restringe o fumo em parques de São Paulo

Aprovada lei que restringe o fumo em parques de São Paulo

A partir do início de novembro ficará proibido fumar cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou narguilés em espaços abertos de qualquer um dos 107 parques municipais de São Paulo.

A lei que bane o fumo nesses locais públicos foi sancionada pelo prefeito Bruno Covas na sexta-feira, 30/08, e entra em vigor em 60 dias. Quem desobedecer à nova regra poderá pagar multa de até R$ 500. Em caso de reincidência, o valor dobra e chega a R$ 1 mil.

“O objetivo da lei é defender o bem-estar dos fumantes e também das pessoas expostas involuntariamente à fumaça”, afirma o vereador Ricardo Teixeira, autor do projeto.

A proibição não será completa, já que a legislação prevê a instalação de fumódromos nos parques, em locais ainda a serem definidos pela prefeitura.

A fiscalização para o cumprimento da lei nos parques paulistanos ficará à cargo dos fiscais da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, com apoio da Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Fumaça letal

O câncer é a doença que mais mata no mundo todo, tirando a vida de aproximadamente 8,2 milhões de pessoas por ano.

Entre os homens, os cinco tipos de câncer mais frequentes são pulmão, próstata, reto, estômago e fígado. A cada ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que aproximadamente 14 milhões de pessoas descubram que estão com a doença.

E quem são os grandes vilões para o aparecimento do câncer? Cerca de 1/3 dos casos diagnosticados são provocados por péssimos hábitos alimentares, assim como a falta de exerício físico, uso excessivo de álcool e o consumo de tabaco, mais especificamente, o cigarro.

O tabaco é responsável por 70% dos casos de câncer de pulmão.

Leia também:
Beverly Hills é primeira cidade dos Estados Unidos a proibir venda de cigarros e produtos de tabaco
Poluição em cidades europeias faz com que turistas “fumem” mesmo sem querer
Em São Paulo, poluição mata muito mais que acidentes de trânsito, câncer de mama e Aids

Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta