Após três anos de descarte no meio ambiente, sacola ‘biodegradável’ continua inteira

Após três anos de descarte no meio ambiente, sacola ‘biodegradável’ continua inteira, revela pesquisa

Durante os últimos três anos, pesquisadores da Universidade de Plymouth, no Reino Unido, acompanharam o processo de degradação de cinco sacolas plásticas que ficaram expostas à terra, ao ar e à água do mar. O experimento utilizou sacolas convencionais, dois tipos diferentes de biodegradáveis e uma compostável.

O que os cientistas do International Marine Litter Research Unit descobriram é que, apenas a compostável se desintegrou no meio ambiente. Todavia, em tempo maior do que o previsto. Apesar de ter se decomposto em três meses, resíduos dela ainda estavam presentes no solo depois de 27 meses.

Já as sacolas ditas “biodegradáveis” continuaram intactas e resistentes o suficiente para carregar compras após 36 meses.

“Fiquei realmente impressionada com o fato de que qualquer uma das sacolas ainda pudesse carregar compras. O mais surpreendente foi a biodegradável poder fazer isso. Quando você vê algo rotulado dessa maneira, acho que você automaticamente assume que ela iria degradar mais rapidamente do que as convencionais. Mas, depois de três anos, pelo menos, nossa pesquisa mostra que pode não ser o caso”, diz Imogen Napper, uma das pesquisadoras do estudo.

Outro cientista, Richard Thomposon, que também participou do experimento, ressalta que é preciso haver regras mais rígidas para a fabricação das chamadas sacolas biodegradáveis.

“Esta pesquisa levanta várias questões sobre o que o público pode esperar quando vir algo classificado como biodegradável. Demonstramos que os materiais testados não apresentaram vantagem consistente, confiável e relevante no contexto do lixo marinho”, alerta Thompson.

E ele completa. “Me preocupa que esses novos materiais também apresentem desafios na reciclagem. Nosso estudo enfatiza a necessidade de padrões relacionados a materiais degradáveis, delineando claramente a via de descarte apropriada e as taxas de degradação que podem ser esperadas”.

Restrições ao plástico

Um estudo internacional, publicado recentemente – “Limites Legais sobre Plásticos e Microplásticos de Uso Único: Uma Revisão Global das Leis e Regulamentos Nacionais” – , pela ONU Meio Ambiente, em parceria com o World Resources Institute (WRI), revelou que 127 países do mundo já têm leis com restrições ao plástico (o Brasil não é um deles, infelizmente).

Sendo na forma de taxas ou impostos, ou até mesmo, proibições a seu uso, em julho de 2018, 66% dos países analisados já tinham tomado medidas em relação a produtos fabricados com esse tipo de material.

Na Inglaterra, desde 2015, a distribuição gratuita de sacolas plásticas está banida. Existe uma cobrança de 5 centavos de libra, caso o consumidor queira uma. A medida fez com que, em apenas seis meses, os ingleses deixassem de usar 6 bilhões de sacolas de plástico, uma redução de 85% no consumo das mesmas.

sacolas plásticas

Em vários países, o consumidor já paga pelas sacolas plásticas

Na Austrália, algo bastante parecido aconteceu. Somente em três meses, houve uma redução de 80% no uso das sacolinhas.  Bastou esse curto espaço de tempo para que 1,5 bilhão de sacolas deixassem de serem utilizadas. O milagre? A cobrança nos supermercados fez com que os consumidores começassem a usar as suas próprias.

Leia também:
Estado de Nova York proíbe o uso de sacolas plásticas
Nova Zelândia anuncia fim das sacolas plásticas a partir de 2019
Comerciantes do Rio de Janeiro serão obrigados a substituir sacolas plásticas descartáveis por biodegradáveis
Chile é primeiro país da América Latina a proibir uso de sacolas plásticas
Em apenas um ano, Israel reduz pela metade o descarte de sacolas plásticas em seu litoral

Fotos: Lloyd Russell/University of Plymouth e divulgação Sainsbury

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Após três anos de descarte no meio ambiente, sacola ‘biodegradável’ continua inteira

  • 2 de maio de 2019 em 10:58 AM
    Permalink

    Se todas as sacolas forem feitas de material bio degradável, a curto ou médio prazo um novo e grave problema será criado, uma vez que a maioria dos lares utiliza descartar seu lixo doméstico em sacolas de Supermercado. Se estas sacolas, contendo lixo, se desfizerem, em pouco tempo o lixo que estaria nelas “protegido” irá gerar uma contaminação absurda nos aterros, terrenos abandonados e calçadas, com fácil acesso de insetos e animais peçonhentos que farão a festa no monturo, sem o impedimentos das embalagens. Se correr o bicho pega, se ficar ele come.

    Resposta

Deixe uma resposta