#AnvisaPoupeVidas: ajude a evitar a morte de milhares de animais em testes de agrotóxicos

#AnvisaPoupeVidas: ajude a evitar a morte de milhares de animais em testes de agrotóxicos

Preparado? Então, vamos lá! Você sabia que até 10 mil cães, ratos, coelhos, aves e peixes podem ser utilizados no registro de um único novo produto agroquímico no Brasil? Os dados são da Humane Society International.

Segundo a organização, ainda hoje, animais são submetidos a cruéis testes de envenenamento, forçados a engolir ou inalar enormes quantidades de químicos ou ter essas substâncias tóxicas friccionadas em suas peles ou gotejadas em seus olhos para que produtos agrotóxicos e até repelentes de insetos sejam aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para serem comercializados no Brasil.

Mas já há métodos mais modernos – inclusive, mais seguros e eficientes -, usados em outros países, que poderiam reduzir em muito a quantidade de animais utilizados nestas pesquisas.

Neste momento, a Anvisa está revisando os requisitos de testes de agrotóxicos e irá anunciar uma nova posição até o final deste mês. Para pressionar a entidade a que testes mais humanos e menos cruéis sejam feitos nos laboratórios brasileiros, foi criada uma petição online, que já tem mais de 100 mil assinaturas até o momento.

Se você também quer evitar a morte de dezenas de milhares de animais, assine já a petição aqui! Ainda são necessárias mais 10 mil assinaturas. Espalhe esta notícia, chame seus amigos para participar e espalhe a hashtag #AnvisaPoupeVidas pelas suas redes sociais.

Leia também:
Brasileira recebe prêmio internacional por pesquisa com alternativa a testes com animais
Agrotóxicos ameaçam colônias de aves na Antártica
Abelhas selvagens estão desaparecendo por causa do uso de pesticidas
Especialistas denunciam “mito” sobre pesticidas serem essenciais para alimentar humanidade

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta