Angra dos Reis e Estação Ecológica de Tamoios serão uma “nova Cancun”, afirma Bolsonaro

Angra dos Reis e Estação Ecológica de Tamoios serão uma “nova Cancun”, afirma Bolsonaro

Localizada na Baía da Ilha Grande, nos municípios de Paraty e Angra dos Reis, ao sul do Estado do Rio de Janeiro, a Estação Ecológica de Tamoios é uma Unidade de Conservação (UC) de proteção integral, constituída por 29 pontos geográficos, entre ilhas, ilhotas, lajes e rochedos.

Criada em 1990 para atender um dispositivo legal que determina que todas as usinas nucleares (no caso, a de Angra dos Reis) deverão ser localizadas em áreas delimitadas como estações ecológicas, graças à unidade de conservação e ao trabalho de biólogos na região, nas últimas três décadas, foi possível recuperar estoques pesqueiros na baía, em especial para espécies ameaçadas de extinção como o mero, a garoupa e o pepino-do-mar, este último alvo recente de redes internacionais de exploração e contrabando.

Além disso, a região é passagem para a migração de outros animais marinhos, como baleias, golfinhos e até, pinguins.

Estão proibidas na Estação Ecológica de Tamaios a pesca, o mergulho recreacional, a visitação pública e o fundeio (barcos ancorarem no local).

De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão responsável pela gestão da UC, sua efetividade pode ser comprovada pela “proteção da biodiversidade no acompanhamento dos processos de licenciamento de grandes empreendimentos, reduzindo a possibilidade de riscos de acidentes ambientais na baía da Ilha Grande; a fiscalização dos defesos e da pesca industrial, contribuindo para a gestão pesqueira na região e o monitoramento e controle de espécies exóticas invasoras, com destaque para o coral sol…

Laboratório vivo, foram realizadas mais de 80 pesquisas nos últimos 20 anos, envolvendo cerca de 30 instituições diferentes, 70 pesquisadores e centenas de estudantes, oferecendo apoio logístico como alojamento e transporte que viabiliza a produção científica”.

Todas as informações acimas foram coletadas no site do ICMBio , vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

Mas parece que o atual presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, não está a par do importante trabalho feito por um dos órgãos de seu governo e nem a relevância do mesmo.

Ontem (08/05), durante uma cerimônia no Rio de Janeiro, ao lado do governador do estado, Wilson Witzel, o presidente afirmou que está trabalhando pela exploração turística da região de Angra dos Reis.

“O nosso estado, na presença aqui do Witzel, merece ter uma Cancun. E nós poderemos tê-la. E estamos trabalhando para a região de Angra. Depende de um decreto presidencial. Porque a Estação Ecológica de Tamoios está demais. Não preserva absolutamente nada e faz de uma área rica, que pode trazer bilhões de reais, por ano, em turismo, que está parada por falta de uma visão mais objetiva, mais progressista nessa questão “, disse.

Vale lembrar que, em janeiro de 2012, quando ainda era deputado federal, Bolsonaro foi multado em R$ 10 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) ao ser flagrado pescando no costão da Ilha de Samambaia, parte da Estação Ecológica de Tamoios. No começo desse ano, inclusive, o fiscal que o multou foi exonerado.

Voltando a tranformar Angra dos Reis em Cancun. Estive no México e na chamada Riveira Maia há pouquíssimo tempo (menos de um mês). O mar do Caribe é realmente lindíssimo, como poucos do mundo. Mas a exploração turística que se fez ali é um péssimo exemplo. As praias foram tomadas por complexos hoteleiros gigantescos, que as privatizaram.

Conversando com um guia local, perguntei sobre os benefícios que o turismo teria realmente trazido à população local. Ele me respondeu “Basta perguntar aos funcionários quantos eles ganham por hora. Trabalham em hotéis de luxo, mas recebem uma miséria”, me contou.

Ao passar pela estrada onde estão alguns dos mais caros hotéis da Riviera Maia, em diversos pontos é possível ver a pobreza “escondida”.

Se o presidente Bolsonaro quer usar um exemplo excelente de turismo sustentável, não precisa ir longe. Há dois dentro mesmo do Brasil: Fernando de Noronha e Bonito. Nesses destinos há respeito ao meio ambiente e uma exploração turística controlada, com número máximo de visitantes nas principais atrações e população educadada ambientalmente para dar valor às suas riquezas naturais.

Cancun não, por favor. Muito menos, mexer na Estação Ecológica de Tamoios. Presidente, ouça a equipe técnica do ICMBio, gente que realmente entende do que está falando.

Fotos: Rogério Cassimiro – MTUR/Creative Commons/Flickr (Angra dos Reis) e domínio público/pixabay (hotel Cancun)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

4 comentários em “Angra dos Reis e Estação Ecológica de Tamoios serão uma “nova Cancun”, afirma Bolsonaro

  • 10 de maio de 2019 em 2:54 AM
    Permalink

    Cancun sim. Vamos ter uma área de turismo que pode gerar empregos para gente como eu que é da área de turismo e hotelaria.

    Resposta
    • 10 de maio de 2019 em 8:37 AM
      Permalink

      Oi Vicente,
      Você leu o final da matéria? Sobre o retorno que as pessoas que trabalham em Cancun têm? Sugiro a leitura do texto todo.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta
  • 13 de maio de 2019 em 6:55 PM
    Permalink

    Vai ter Cancún sim e se reclamar vamos fazer uma Acapulco também

    Resposta
  • 12 de julho de 2019 em 9:45 AM
    Permalink

    Concordo em partes,um controle obviamente tem que ter. Mas creio que seja importante a exploração turística do local.
    Explorar o local para turismo não é sinônimo de degradação do mesmo, até porque o turismo depende da conservação do local. Não é de interesse de quem está explorando degradar ou causar um desequilíbrio no local, pois a preservação é necessária para que haja turismo no local. Caso contrário não haverá retorno em seu investimento.
    Em relação a geração de empregos, Angra apresenta uma alta taxa de desemprego. Uma boa parte da população está sem emprego nenhum, ou seja, a exploração com certeza geraria empregos na região.
    Abraço, Renan.

    Resposta

Deixe uma resposta