Americano “veste” todo lixo que produziu durante 30 dias

*Atualizado em 02/02/2017

Você compra o suco ou o café e depois de beber, joga o copo fora. O guardanapo do sanduíche? Na lixeira. O bilhete do metrô usado? No lixo. E por aí vai. Como o lixo que produzimos “some” do nosso olhar rapidamente, não temos noção do volume desproporcional – e inaceitável – de resíduos que produzimos diariamente. Um americano gera, em média, 2 kg de lixo por dia, ou seja, 135 kg por mês.

Para chamar a atenção das pessoas sobre este absurdo, o ativista e ambientalista Rob Greenfield decidiu “vestir” todo o lixo que produzir durante 30 dias (embalagens, garrafas, latas, folhetos, canudos, etc). Para isso, ele contou com ajuda da designer Nancy Judd (que cria roupas e acessórios com materiais recicláveis) para criar o trash suit, uma espécie de casaco transparente com diversos compartimentos, onde ele irá guardar todos resíduos acumulados durante o mês. A roupa tem capacidade para carregar até 56 kg.

A aventura, pelas ruas de Nova York, será filmada e os vídeos reproduzidos na página do projeto #TrashMe no Facebook e no Twitter e já gerou alguns momentos bastante engraçados, como quando ele tentou passar pela roleta do metrô e ficou entalado (assista o vídeo ao final desta reportagem).

Rob Greenfield é uma figura bastante conhecida da mída americana. Criador da campanha The Food Waste Fiasco, ele viajou pelos Estados Unidos mostrando o desperdício de alimentos que ocorre naquele país e apontando soluções para reduzir o problema.

Em 2015, o americano desembarcou no Rio de Janeiro, onde começou sua jornada até o Panamá, sem um tostão no bolso (nem dinheiro nem cartão de crédito) para provar que ainda é possível contar com a generosidade das pessoas. A aventura se transformou no documentário Free Ride, exibido no Discovery Channel.

Sempre com um enorme sorriso no rosto, Greenfield convida as pessoas a refletir e mudar seu comportamento diante do planeta. Em seu site, por exemplo, dá dicas de como produzir menos lixo. Abaixo, algumas delas:

Reduza, reuse e recicle;
Compostagem – use sobras de frutas e hortaliças e faça adubo em casa (a receita você encontra neste post do blog Mãos à Horta);
Diga não a produtos descartáveis – em vez de comprar garrafa de água, leve a sua na bolsa, no lugar do lenço descartável de papel, use um de tecido. Papel para secar a mão? Que tal uma toalhinha de pano dentro da mochila?
Brechó e segunda mão – Compre produtos que já foram usados.

E aí, inspirado para mudar?

Leia também:
WeFood: supermercado que só vende produtos fora do prazo de validade é inaugurado na Dinamarca

Feios por fora, bonitos e (deliciosos) por dentro
Alimentos “feios” dão oportunidades a pessoas necessitadas na Espanha
Supermercados italianos terão desconto nos impostos ao doarem alimentos

Foto: divulgação Rob Greenfield

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta