Amazônia tem aumento de mais de 200% no desmatamento em outubro, apontam alertas do Imazon

Amazônia tem aumento de mais de 200% no desmatamento em outubro, apontam alertas do Imazon

Em meados de novembro, dados do Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), indicaram que o desmatamento na Amazônia cresceu 30% em um ano e registrou a terceira maior alta da história.

Agora, o mais recente levantamento divulgado pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon)* confirma essa tendência de crescimento da destruição da floresta.

Segundo o SAD (Sistema de Alertas de Desmatamento), do Imazon, em outubro de 2019, foram detectados 583 km2 de desmatamento na Amazônia Legal*, um aumento de 212% em relação a outubro de 2018, quando esse número era 187 km2.

Amazônia tem aumento de 212% no desmatamento em outubro, apontam alertas do Imazon

Gráfico revela crescimento assustador do desmatamento na Amazônia

Assim como nos monitoramentos passados, o Pará aparece como o principal responsável pela devastação da floresta, com 59% das ocorrências. Na sequência estão Mato Grosso (14%), Rondônia (10%), Amazonas (8%), Acre (6%), Roraima (2%) e Amapá (1%).

Oito dos dez municípios, classificados como “críticos”, pois foram os que mais desmataram, estão justamente no Pará.

Amazônia tem aumento de 212% no desmatamento em outubro, apontam alertas do Imazon

A maior parte de perda de floresta ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse (54%). O restante aconteceu em assentamentos (32%), Unidades de Conservação (7%) e terras indígenas (7%).

Em relação à degradação da floresta, quando não há o corte raso da vegetação, houve uma queda em relação ao mês anterior (setembro de 2019), quando o crescimento atingiu alarmantes 800%, conforme mostramos aqui, nesta outra reportagem.

Infelizmente, apesar de os índices de degradação terem ficado menores, ainda assim, estão longe do que é considerado “aceitável”. As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 618 km2 em outubro último, enquanto que no mesmo mês do ano passado, a degradação florestal totalizou 125 km2, ou seja, houve um aumento de 394% em outubro de 2019.

Mensalmente, o Imazon realiza o levantamento do desmatamento da Floresta Amazônica, através de dados gerados pela plataforma Google Earth Engine (EE), com a utilização de imagens de satélites e mapas digitais.

Amazônia tem aumento de 212% no desmatamento em outubro, apontam alertas do Imazon

*O Imazon é um instituto nacional de pesquisa, sem fins lucrativos, composto por pesquisadores brasileiros, fundado em Belém há 29 anos. Através do sofisticado Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), a organização realiza, há mais de uma década, o trabalho de monitoramento e divulgação de dados sobre o desmatamento e degradação da Amazônia Legal, fornecendo mensalmente alertas independentes e transparentes para orientar mudanças de comportamento que resultem em reduções significativas da destruição das florestas em prol de um desenvolvimento sustentável.

*A chamada Amazônia Legal é uma área que compreende nove estados brasileiros e corresponde a quase 60% do território nacional.

Leia também:
Organizações alertam que reação do governo ao desmatamento da Amazônia é insuficiente
Árvores nativas da Amazônia ameaçadas por Bolsonaro: ele declarou que o governo estuda liberar sua exportação
230 investidores de fundos no valor de U$$16,2 trilhões cobram ações de empresas contra desmatamento na Amazônia
Rede de criminosos usa violência e intimidação para realizar desmate ilegal na Amazônia

Foto: Christiano Antonucci / Secom-MT/Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta