Amamentação vale ouro!

Amamentação vale ouro!

Celebrada todo ano nos primeiros dias de agosto, a Semana Mundial da Amamentação é realizada mundialmente para lembrar a importância de alimentar bebês exclusivamente com leite materno durante os seis primeiros meses de vida.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), se todo bebê recebesse exclusivamente o leite materno e continuasse a ser amamentado até os dois anos de vida, como complemento de outros alimentos sólidos, aproximadamente 800 mil crianças deixariam de morrer todos os anos anualmente.

O leite da mãe possui anticorpos que protegem a criança contra doenças como diarreia e pneunomia, que são justamente uma das principais causas de mortalidade infantil. Infelizmente, menos de 40% dos bebês com menos de seis meses são amamentados somente com o leite materno.

Estudos comprovam ainda que crianças que foram amamentadas têm menor chance de se tornarem adultos obesos, menos chances de desenvolver diabetes e apresentam resultados melhores em testes de inteligência.

Por aqui, a Sociedade Brasileira de Pediatria lançou a campanha “Agosto Dourado: Amamentação que vale ouro!”, para estimular e apoiar o aleitamento materno no país, principalmente através do trabalho de médicos e pediatras, que devem ajudar na conscientização de mães e famílias sobre a importância deste ato.

Durante os 31 dias do mês de agosto, a entidade vai divulgar em suas redes sociais 31 razões para provar que o leite materno é o melhor alimento que pode ser dado ao bebê.

Aqui abaixo você confere as três primeiras razões:

  1. A amamentação diminui a mortalidade de crianças. Estimativas recentes sugerem que a amamentação, se fosse ampliada para níveis quase universais, poderia prevenir cerca de 12% das mortes de crianças menores de 5 anos a cada ano, ou cerca de 820.000 mortes em países de média e baixa renda;
  2. A amamentação exclusiva protege contra mortes infantis causadas por doenças infecciosas. Crianças menores de 6 meses amamentadas exclusivamente tem risco 41% menor de morrer que as crianças em aleitamento materno predominante, 78% menor que as em aleitamento materno parcial e 88% menor que as não amamentadas;
  3. A amamentação diminui o risco da Síndrome da Morte Súbita do Lactente. As crianças amamentadas têm risco 36% menor de serem vítimas da Síndrome da Morte Súbita do Lactente.

Leia também:
Proibida publicidade que interfira na amamentação infantil
Que delícia de comida de bebê
Alimentação saudável na adolescência

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta