Alemanha anuncia o fim dos carros movidos a combustão, até 2030

alemanha-anuncia-fim-fabricacao-carros-a-combustao-foto-pixabay-paulina101
Com o intuito de colaborar com o plano anunciado pela União Europeia, em julho último, para reduzir emissões de gases de efeito estufa (GEE), a Alemanha anunciou que adotará medidas que viabilizem o fim da fabricação de carros movidos a combustão até 2030.

Assim, todos os carros novos deverão ser produzidos sem emissão de qualquer poluente. Para tanto, o governo garante incentivos fiscais e opões financeiras às indústrias que aderirem a esse tipo de produção, como é o caso dos carros elétricos (como já noticiamos, aqui), cuja presença nas ruas e nas estradas do país só cresce. Hoje, dos 45 milhões de veículos que integram sua frota, 25 mil são elétricos (e 150 mil, híbridos).

Na guerra contra a poluição e o aquecimento global, o governo alemão ainda promete subsídios para o transporte coletivo (trem, metrô, ônibus etc), para serviços de compartilhamento de carros e também para o uso de bicicletas no dia-a-dia. Recentemente, o país anunciou a produção do primeiro trem não poluente do mundo, movido a hidrogênio, como mostramos, aqui, no Conexão Planeta.

Todo esse esforço vem do entendimento não só do governo, mas também da sociedade, de que será muito difícil descarbonizar o país focando na indústria em geral e na agropecuária, ambos vilões de peso nessa batalha. A saída mais rápida e viável foi repensar a mobilidade, também importante na conta da emissão de gases nocivos à saúde. Afinal, a Alemanha é o terceiro maior produtor de carros movidos a combustão do mundo.

Nenhuma dessas medidas está garantida pela lei, mas, como foram aprovadas pelo poder legislativo alemão – e atendem as estratégias da União Europeia -, revelam seriedade e compromisso. Quem sabe essa atitude inspira outros países europeus.

Leia também:
Cidade Ativa adverte: carro faz mal à saúde
Carro a diesel, não!
Milão pode pagar para motoristas que trocarem carro por bicicleta 


Foto: Paulina 101/Pixabay

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta