Alecrim, alecrim dourado…

alecrim

alecrim (Rosmarinus Officinale) é uma planta originária do Mediterrâneo. Cresce bem em solos calcáreos, secos e pedregosos e necessita de boa drenagem. Por esta razão, se adapta bem à regiões secas e frias.

Conhecido por suas qualidades aromáticas e  medicinais, o óleo de alecrim é muito bom para relaxar os músculos e abrir as vias aéreas. Já o chá da planta é antisséptico e anti-inflamatório e pode ainda ser usado para prevenir infeccões, estados gripais e dificuldade da digestão.

Na cozinha, o alecrim perfuma carnes de todos os tipos, principalmente as de caça, ressalta o sabor de batatas assadas e verduras e até mesmo, empresta um  agradável aroma à água.

Na horta, ele é um forte aliado contra fungos e insetos, quando pulverizado em forma de infusão ou tintura diluída. Planta perene (que permanesce viva por anos, sem terminar o ciclo de cultivo) possui ramos fortes e lenhosos e folhas cheias de seiva oleosa, o que a faz ser resistente ao frio, ao vento e à seca.

No jardim ou na horta, o alecrim pode ser utilizado para fazer um lindo cercado, com flores azuis e folhas cinzento-esverdeadas. Pode ser uma ótima opção para emprestar perfume a áreas próximas à janelas, entradas e perto de canis. Suas flores e aroma atraem abelhas e outros  polinizadores, como borboletas e pássaros.

As flores cinzento-esverdeadas do alecrim

Cultivo do alecrim

Para cuidar de um pé de alecrim, capriche na terra. Projete o tamanho da copa para  preparar a base para as raízes e escolha um vaso ou cova bem amplos e adubados, com esterco ou húmus de minhoca. Se o solo for ácido, coloque uma xícara de calcário por metro quadrado e na terra, algumas pedras para ajudar na drenagem. Mantenha o solo bem irrigado durante os meses quentes e muito em breve, seu jardim estará com uma  arvoreta perfumada.

Aproveite a temporada de festas de final de ano para adornar a porta em forma de guirlanda com ramos dispostos em círculo ou se preferir, num vaso mais alto, pode até servir de árvore de Natal!

Para orientar seu crescimento em forma piramidal, imitando um pinheiro, basta ir formando seus galhos com ajuda de arames e podando pouco a pouco para a forma desejada. Evite, no entanto, cortar os ramos lenhosos quando estiverem floridos. Muitas plantas se ressentem desta prática. Pode os ramos verdes somente, imitando as formas  espiraladada e ascendente dos pinheiros.

Para regar, evite exageros, sobretudo, água empoçada, pois umidade demais pode apodrecer as raízes.

Para colher e guardar  as folhas desidratadas, o melhor dia da colheita é depois da chuva, na lua nova ou crescente. Deixe seus raminhos amarrados com as pontas para baixo e guarde num vidrinho depois de secos. Use aos montes! Sua comida vai ficar deliciosa.

Para dar um toque de festividades na decoração das festas, coloque raminhos junto aos guardanapos na mesa de Natal ou mesmo, guarnecendo os pratos típicos desta época.

Fotos: domínio público/pixabay

Geógrafa, paisagista, educadora ambiental e ilustradora científica. Começou a carreira em São Paulo como consultora paisagística. Durante 10 anos viveu no exterior (Austrália, Israel e USA) e neste último país, firmou suas habilidades para trabalhar com crianças. Atualmente dá aulas de horticultura para alunos do Ensino Fundamental, em Brasília. Também desenvolve projetos junto à Cia da Horta para centros de ensino, clubes e empresas.

Liliana Allodi

Geógrafa, paisagista, educadora ambiental e ilustradora científica. Começou a carreira em São Paulo como consultora paisagística. Durante 10 anos viveu no exterior (Austrália, Israel e USA) e neste último país, firmou suas habilidades para trabalhar com crianças. Atualmente dá aulas de horticultura para alunos do Ensino Fundamental, em Brasília. Também desenvolve projetos junto à Cia da Horta para centros de ensino, clubes e empresas.

Deixe uma resposta