Aldo: o homem da esquina

aldo martins

Nos últimos anos, os brasileiros assistiram, perplexos, o crescimento da taxa de desemprego no país. Em 2013, havia menos de dois milhões de desempregados. Em 2017, chegamos a ter 14 milhões de pessoas sem trabalho.

Com tamanha dificuldade muitos brasileiros se reinventaram, criaram novas ocupações, transformaram a atividade extra em profissão… Ennfim, botaram a cabeça pra funcionar.

Foi o que fez o ambulante Aldo Martins. Ele trabalha num cruzamento em Curitiba. Vende pipoteca (um tipo de pipoca doce industrializada). Ser ambulante para ele era uma forma de complementar a renda da família. Mas depois de ter perdido o emprego há dois anos, não teve dúvida: arregaçou as mangas e passou a ambulante em tempo integral.

Aldo, mais um brasileiro que se reinventou por causa da crise

Hoje Aldo está feliz com a atividade que lhe rende até R$ 4500,00 por mês. Garante que não quer mais sair da rua.

Aldo é paulista e contou para o Brasil de Cor como e porque trocou São Paulo pelo Paraná. Evangélico, ele canta na igreja e já gravou um DVD com músicas de louvor compostas por ele.

Abaixo, a entrevista com mais este brasileiro:

Jornalista há 30 anos, é formado em Comunicação Social na Universidade Federal do Paraná. Em 1986, começou a carreira em televisão, primeiro como repórter e mais tarde, editor e apresentador. Trabalhou nas Redes Globo e Record. Em 2015, montou sua própria empresa, a Sobrequasetudo Comunicação e Arte, especializada em media training. Em 2017, criou o Brasil de Cor, um canal para dar oportunidade e visibilidade a negros brasileiros

Herivelto Oliveira

Jornalista há 30 anos, é formado em Comunicação Social na Universidade Federal do Paraná. Em 1986, começou a carreira em televisão, primeiro como repórter e mais tarde, editor e apresentador. Trabalhou nas Redes Globo e Record. Em 2015, montou sua própria empresa, a Sobrequasetudo Comunicação e Arte, especializada em media training. Em 2017, criou o Brasil de Cor, um canal para dar oportunidade e visibilidade a negros brasileiros

Deixe uma resposta