Ailton Krenak media encontro gratuito, no Rio de Janeiro, para conectar saberes científicos e ancestrais

Num momento tão conturbado como este que vivemos no país, nada mais auspicioso do que poder parar e refletir sobre a vida, ouvindo pesquisadores e pensadores de culturas que, aparentemente parecem distantes, mas se conectam em inúmeros pontos. É isto que acontecerá durante três dias – 13, 14 e 15 de novembro – no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, com a mediação preciosa do indígena Ailton Krenak.

Este encontro lindo tem o nome de Selvagem – demais! – e será um Ciclo de Estudos sobre a Vida. A ideia partiu da editora Anna Dantes que convidou antropólogos e pensadores como o canadense Jeremy Darby e a antropóloga belga Els Larou, alem do indígena Torami-Kehiri, do povo Desana, e o xamã Moisés Piyãco, entre outros. Sob a “regência” do líder indígena Krenak, eles farão conexões entre os saberes científicos, acadêmicos, indígenas e ancestrais.

E 2002, a ONU reconheceu a necessidade de avançarmos no dialogo entre o conhecimento cientifico e os sistemas de conhecimento e dos valores indígenas e locais. Percebido como essencial para pavimentar os passos do planeta em direção à sustentabilidade, esse diálogo começou a ganhar contornos de ação na forma do Painel Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Sistêmicos (IPBES), criado pela ONU em 2011. Ele é pautado pelo principio de “reconhecer e respeitar a contribuição do conhecimento indígena e local à conservação e ao uso sustentável da biodiversidade e dos ecossistemas”. E assim será Selvagem.

Em Selvagem, a experiência do encontro se realizará também no campo musical. A música circulará pelo ambiente e envolverá as falas dos participantes, todos os dias. Músicos como Antonio Arvind (hang drum) e Tércio Araripe (na foto abaixo, à esquerda), da Orquestra de Barro Uirapuru, criarão ambiências sonoras para as palestras, apresentando frases musicais entre as falas dos participantes.

Interessante saber que Tércio vem desenvolvendo práticas musicais e de cerâmica na confecção de instrumentos para perpetuar a cultura ancestral do barro no povoado de Moita Redonda, no Ceará.

Ayani e Batani (na foto acima) trazem da floresta cantos tradicionais Huni Kuï para que todos se conectem com sua essência. Elas são mestres artesãs e lideranças do rio Jordão. Ayani é filha do pajé Agostinho Ika Muru, organizador de Una Isi Kayawa, o livro da cura do povo Huni Kuï, do qual falo mais adiante.

Veja a programação resumida, abaixo:

13 DE NOVEMBRO

Viagem ao Centro da Vida – 10h às 12h
A vida e a rede da qual fazemos parte, mas também o nosso espaço interno e como ele se conecta com o universo exterior. Microcosmos e Macrocosmos.



Luis Eduardo Luna
(na foto, no centro), de Florencia, na região da Amazonia Colombiana, é PhD em Religião, escreveu livros sobre visões do ayauhaska e vive em Florianópolis, conversará com Torami-Kehri (Luiz Gomes Lana), do povo Desana (Imiko-masã, gente do universo). Junto com o pai, já falecido, nos anos 80 escreveu livro de narrativa míticas “Antes o mundo não existia – Mitologia dos antigos Desana-Kehíripõra”, que será relançado em 2019, pela Editora Dantes. E o economista carioca Sérgio Besserman (na foto, à direita), que foi presidente do IBGE e, hoje, preside o Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

A serpente e o DNA – 14h às 16h
Correspondências entre o conhecimento nativo e a ciência.

Após pesquisar sobre as plantas junto ao povo Ashaninka, na Amazonia peruana, para seu doutorado em antropologia, o canadense radicado na Suíça Jeremy Narby (na foto acima, à direita) desenvolveu hipótese que relaciona as serpentes dos mitos originais com o DNA presente em toda forma de vida. A conversa inspirada no livro A Serpente Cósmica, o DNA e a Origem do Saber contará com o autor, o astrobiólogo Gustavo Porto de Mello, da UFRJ, e Moisés Piyãki, respeitado xamã do povo Ashaninka e conhecedor das tradições espirituais.

Lançamento do livro MBAÉ KAÁ, o que tem na mata – 17h

Trata-se da Botânica Nomenclatura Indígena, de João Barbosa Rodrigues, uma contundente defesa do conhecimento nativo diante do meio científico. Mesmo com o vocabulário da época e das perspectivas do inicio do século portanto, defasadas, é um livro fundamental que reconhece a sabedoria indígena no Brasil e no mundo.

Dantes quis atualizar essa memória, esticando-a aos dias de hoje, e encontrou o que buscava no epicentro do Jaraguá, em São Paulo, em uma aldeia urbana do povo Guarani. A nova edição do livro de Rodrigues foi ilustrada com desenhos feitos por crianças, jovens e adultos Guarani, durante uma oficina em setembro de 2018 na aldeia Pyau. A publicação tem notas atualizadas, apresentação assinada por Sergio Besserman e introdução de Fabio Rubio Scarano.

14 DE NOVEMBRO

Da Planta ao Planeta – 10h às 12h
A consciência do mundo e a consciência das plantas são inseparáveis. As plantas, que tornaram possível a vida sobre a terra e no mundo, encontraram a fórmula para transformar a energia solar em matéria. Esta conversa versará sobre a engenharia planetária das plantas, o mundo ligado ao cosmos e onde nós também habitamos. 

Os convidados (na foto acima) são Emanuele Coccia, professor do CEHTA (Centre d’Histoire et de Théorie des Arts) e autor do livro A vida das plantas, uma metafísica da mistura; Fábio Scarano, graduado em Engenharia Florestal e Ecologia, professor associado da UFRJ, seu campo de estudo é a questão climática dentro da perspectiva de gaia; e Gustavo Martinelli, doutor pela Faculty of Sciences (UK), é pesquisador titular do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do RJ e coordenador do Centro Nacional de Conservação da Flora.

Plantas Mestras – 14h às 16h
Nesta conversa, três estudiosos do conhecimento tradicional compartilham aprendizados, experiências e entendimentos junto a cientistas da natureza, os pajés. São eles:

Alexandre Quinet, doutor em Ciências Biológicas pela UFRJ e pesquisador do Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do RJ, com experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia. Organizou, junto com o pajé Agostinho Ika Muru a publicação Una Isi Kayawa – Livro da Cura do povo Huni Kuin do rio Jordão. Els Lagrou, antropóloga belga, professora da UFRJ. Veio ao Brasil para estudar os povos ameríndios, e se tornou mestre e doutora em Antropologia Social, com especialização em Antropologia da Arte. Publicou livros sobre os indígenas Kaxinawá e a arte indígena no Brasil. Como curadora, organizou no Museu do Índio a exposição No Caminho da Miçanga (2015) com peças de povos indígenas do Brasil e Américas, até Ásia e África. E, por fim, Pedro Luz, antropólogo e etnobotânico, autor do livro Carta Psiconautica sobre 44 espécies de plantas psicoativas e realizador das pesquisas etonobotânicas para o livro Una Isi Kayawa, de Quinet.

15 DE NOVEMBRO

Este será um dia dedicado a oficinas:

Plantio de Horta – 10h às 12h
Oficina aberta ao público, será realizada pela equipe do programa socioambiental do Jardim Botânico.

Aula de Guarani e Oficina de Desenho – 14h às 16h
Aberta ao público, a primeira será ministrada por Davi Karai Popygua e comitiva, e se completa com a oficina de desenho de plantas. A ideia é integrar a aula da língua Guarani com a oficina de desenho para que possa ser editado um glossário vivo do encontro.

Todo o encontro será fotografado e filmado e registros importantes de cada fala serão publicados na internet. Acompanhe por sua página no Facebook.

Fotos: Ailton Krenak/Reprodução de Vídeo, as demais são de divulgação 

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Um comentário em “Ailton Krenak media encontro gratuito, no Rio de Janeiro, para conectar saberes científicos e ancestrais

  • 14 de novembro de 2018 em 11:29 PM
    Permalink

    Boníssimo encontro. Krenak é um sábio, e ali havia uma legião deles. Ô sorte!

    Resposta

Deixe uma resposta