Agricultura orgânica na metrópole: você não vai acreditar!

Agricultura orgânica em Osasco

A cidade de Osasco fica bem pertinho de São Paulo. Elas são tão coladas que é impossível saber onde começa uma e termina a outra. Isso quer dizer: Osasco tem muitos prédios, avenidas movimentadas, poluição, trânsito intenso de automóveis e… agricultura orgânica!

Essa história incrível, mais conhecida como Programa Agricultura Urbana, teve início em 2007. O objetivo era formar hortas sem uso de agrotóxicos, utilizando técnicas da agricultura natural para a produção e a comercialização de produtos orgânicos. Para executar a tarefa, a prefeitura selecionou moradores desempregados, de famílias com renda per capita de até meio salário mínimo – a chamada situação de vulnerabilidade social.

Eles aprenderam técnicas de horticultura e tiveram aulas de manejo orgânico e segurança alimentar, e os primeiros conhecimentos foram colocados em prática na Horta Modelo (que existe até hoje). O trabalho começou a dar resultados, e cresceu. Aos poucos, mais hortas foram implantadas, algumas em espaços desocupados por onde passavam torres de transmissão de energia ou tubulações de gás.

Agricultura orgânica em Osasco

Nesse caminho, a prefeitura começou a contar com o apoio do Centro de Pesquisa Mokiti Okada, que cuidou da capacitação dos agricultores e incentivou-os na introdução de hábitos alimentares saudáveis. Outro parceiro importante foi o Instituto Auá, que contribuiu de duas formas: com a formação em agroecologia, para melhorar a produção das hortas no contexto em que elas estão inseridas (áreas urbanas com alta densidade populacional, pouco espaço para o cultivo); e na elaboração do Manual para Hortas Urbanas – Como produzir e comercializar alimentos saudáveis nas cidades, feito em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão de Osasco.

A cidade já tem 7 hortas. Os produtos abastecem primeiro as famílias de seus produtores e, depois, são comercializados, gerando renda para os mesmas – a venda é realizada nas próprias hortas e na Feira de Agricultura Urbana de Osasco, uma vez por semana. A ideia é que, com o aumento da produção, o projeto possa abastecer também as secretarias da prefeitura e, principalmente, as escolas do município, fazendo parte das merendas. Não é demais?

Baixe aqui o Manual para Hortas Urbanas – Como produzir e comercializar alimentos saudáveis nas cidades, do Instituto Auá

Fotos: Pedro Godoy

Texto publicado originalmente no site da Garupa em 06/07/2016

Viajar pode fazer mais. Por você e pelos lugares que visita. Este é o lema da Associação Garupa, Organização Social de Interesse Público (OSCIP) que trabalha com o turismo sustentável como ferramenta para promover distribuição de renda e preservação de riquezas naturais e culturais do Brasil. A Garupa atua no apoio a comunidades e iniciativas em três frentes: por meio de consultoria para campanhas de crowdfunding, da realização de Expedições Garupa ou da divulgação de experiências sustentáveis através do Guia do Brasil Autêntico.

Na Garupa

Viajar pode fazer mais. Por você e pelos lugares que visita. Este é o lema da Associação Garupa, Organização Social de Interesse Público (OSCIP) que trabalha com o turismo sustentável como ferramenta para promover distribuição de renda e preservação de riquezas naturais e culturais do Brasil. A Garupa atua no apoio a comunidades e iniciativas em três frentes: por meio de consultoria para campanhas de crowdfunding, da realização de Expedições Garupa ou da divulgação de experiências sustentáveis através do Guia do Brasil Autêntico.

Deixe uma resposta