A natureza é sábia conselheira e sempre inspira a solução de problemas


Quando nos aproximamos da natureza com o estado de espírito adequado – respeito, calma, humildade, entrega -, ela compartilha muitos de seus segredos. Essa é a mais pura verdade. Dizem que todas as respostas estão dentro de nós e sinto que elas podem ser acessadas com bastante facilidade quando estamos entre árvores, rios, mares, animais, flores.

Ao observar os ciclos da natureza de vida-morte-vida, compreendi que todos passamos por transformações e que é inútil querer estacionar nos estágios de pura felicidade. Nós sabemos que estes momentos não duram para sempre. Também é perda de energia acharmos que a tempestade nunca passará. Afinal, tudo passa.

“Quando nos defrontamos com uma situação muito difícil (…), a flor nos mostra o caminho na medida em que a sua paixão pela vida a conduz para fora da escuridão, para o mundo da luz. Não há nenhum sentido em se lutar contra os desafios da vida, ou tentar evitá-los ou negá-los. Eles estão aí, e se a semente deve transformar-se na flor, precisamos passar por eles. Seja corajoso o bastante para transformar-se na flor que você foi feito para ser”, chegou a dizer o mestre espiritual Osho, em seu Tarot Zen.

Certo dia, na Amazônia, senti que deveria caminhar sozinha pela floresta, por uma trilha que eu já conhecia, dentro de uma propriedade privada. Eu estava na cidade Presidente Figueiredo, no Amazonas e passava por um momento difícil, onde teria que me desapegar de uma situação que eu não queria que terminasse.

Andar sozinha na floresta, por mais que haja uma trilha, é algo extremamente mágico e desafiador. Claro, há de se ter atenção. Respirei fundo e fui. Ao começar, fiz o que aprendi com os povos nativos. Eles dizem que a natureza nos reconhece quando somos educados e respeitosos. Então eu agradeci, pedi licença e proteção.

Fui devagar e atenta aos detalhes de tudo o que os meus olhos podiam captar. Foi quando passei em frente a uma árvore muito alta – um lindo angelim. Foi como se meus pés tivessem travado no chão. Empaquei. Havia uma energia que simplesmente me impedia de continuar andando. Compreendi que eu deveria parar bem ali, de frente para aquela árvore.

Abri meus braços para ela e disse: “ok, estou aqui, pode falar”.  De olhos fechados, comecei a ver árvores tombando e nascendo, tombando e nascendo… a imagem seguinte que me veio foi a da floresta vista do alto. Quando você sobrevoa a Amazônia ela parece um tapete verde gigante.

Neste instante, eu ouvi: “Karina, a floresta que você vê aqui não esteve sempre assim. Para que ela possa existir continuamente, árvores têm que tombar para que outras possam nascer. Porque a transformação constante é necessária à manutenção de toda vida. Aceite a transformação“.

Ao sentir isso profundamente – uma verdade tão óbvia e tão importante de ser lembrada naquele exato momento – comecei a chorar, agradeci e entendi que este era o propósito da minha caminhada: receber a lição da transformação, da lei da impermanência, através da conexão que tive com aquele angelim. Ficou bem mais fácil lidar com a situação que eu vivia e sempre me lembro da preciosa lição de vida que recebi. Se ela veio da árvore, dos gnomos, dos espíritos, de Deus, não importa. Por meio do angelim, aquela mensagem que eu precisava chegou até mim.

A natureza fala… é só ter ouvidos para ouvir. Tenha uma linda Páscoa, abençoada pela natureza. Nos vemos na semana que vem!

Karina Miotto

Conectada com a força da floresta – guiada, protegida e inspirada por ela. Jornalista ambiental, educadora e fundadora do Reconexão Amazônia. Há mais de uma década tem se dedicado a proteger a Amazônia, onde morou por cinco anos. Mestre em Ciências Holísticas pela Schumacher College, Inglaterra, é formada em Educação para a Sustentabilidade pelo Gaia Education e Vivências com a Natureza pelo Instituto Romã.

Deixe uma resposta