A experiência de ser um com a natureza


O contato com a natureza acontece, de verdade, quando nos permitimos ter uma experiência direta com ela. Com isso, queremos dizer muitas coisas.

Primeiro, que é preciso se abrir para a experiência, deixar de lado por um momento o olhar objetivo e analítico e desenvolver o olhar atento, amoroso e interessado em interagir COM ela. Nem todo mundo sabe, mas a natureza sabe brincar e pode responder aos nossos estímulos. As crianças sabem bem e é por isso que, quando brincam com a terra, folhas, pedras, conchas, galhos, etc, sua imaginação vai ao máximo, levando-as a criar mundos riquíssimos, cheios de história e poesia. Nem se compara quando brincam com brinquedos pré-formatados por adultos. Essa estimulação plena acontece quando colocamos a nossa natureza em comunicação com a natureza daquele ou daqueles elementos.

Para tanto, o corpo participa integralmente, uma vez que somos vivos e vivemos os mesmos processos vitais que os outros seres não humanos. Então, para o adulto ou para a criança que está crescendo num meio muito artificializado, é preciso disposição para se exercitar e fazer os movimentos que a natureza sugerir que sejam feitos, seja para se agachar para observar os elementos do solo ou que estão na altura das crianças pequenas, seja para se alongar e alcançar galhos altos, seja para se curvar para os lados para observar os elementos que chamaram a sua atenção ou a das crianças.

Além disso, naturalmente os seus sentidos ficam aguçados, pois esta é uma das experiências mais eficientes para estimulá-los. Os cheiros presentes em um bosque ou em um jardim são muito mais diversificados do que em uma sala fechada, seja em casa ou na escola. Os sons dos pássaros, da água corrente, da brisa tocando as folhas e tantos outros podem levar à experiência de se perceber parte de um campo muito maior do que o definido pela visão. Mas o olhar pode também se ampliar infinitamente.

Você pode experimentar observar uma única planta. Conforme presta atenção aos detalhes, mais aspectos começam a ser percebidos. Mais e mais nervuras, reentrâncias, curvas, concavidades, penugens vão se revelando ao seu olhar atento. Se você continuar observando bem lentamente entrará no próprio ritmo do vir-a-ser da planta, pois enquanto você a observa ela está se transformando, está crescendo, e você também se transforma, desenvolve sua capacidade de perceber. Você também está crescendo.

Os estímulos do tato também são muitos. As sensações de calor ou de frescor e a grande variação entre elas, o toque da brisa, a textura e a temperatura do tronco das árvores, das demais plantas, do solo, são toques intensos mas fugazes, mudando a todo instante. Assim vão treinando sua percepção para estímulos cada vez mais sutis.

Em qualquer “lugar de natureza”, que pode ser uma floresta, um pequeno fragmento de mata, um conjunto de plantas em um parque, em um jardim, um pequeno canteiro na calçada ou um vasinho dentro de casa, as plantas, os animais, o solo, estão em permanente transformação. E você também. Quando dois processos em permanente transformação, ou seja, quando dois processos vivos se encontram, algo acontece. Você, que é o elemento da natureza que tem a capacidade de ter consciência daquilo que está acontecendo, participa do processo de transformação daquele ser observado. É uma experiência que revigora seu corpo como um todo e o seu espírito, permitindo que pensamentos e sentimentos vivos emerjam a partir dela.

As crianças têm essa percepção aguçada naturalmente. Daí, a importância dos adultos que são referência para elas também desenvolverem esse grau mais aguçado de percepção; isso vai ajudá-las a não perder esse elo.

Para lançarmos, este ano, o projeto Experiências da Semana nas redes sociais do Ser Criança é Natural, nos inspiramos nas belas palavras da escritora, bióloga marinha e ativista Rachel Carson:

Se uma criança deve manter viva sua capacidade inata de maravilhar-se, ela precisa da companhia de, pelo menos, um adulto com quem possa compartilhar, redescobrindo com ele a alegria, a excitação e o mistério do mundo no qual vivemos.

Toda segunda-feira fazemos uma sugestão de atividade para ampliar seus sentidos e seu contato com a natureza. Tenha você 2 ou 50 anos, ou mais. Ou seja, crianças de todas as idades podem participar.

A ideia é que você consiga perceber a natureza na sua rotina, ou então crie alguns hábitos, ações que se tornem frequentes, aprofundando essa relação. Cada experiência te ajuda a perceber a natureza que existe ao seu redor, sem precisar fugir da cidade, estar em uma ilha deserta, ou no meio de uma floresta.

Como já dissemos acima, o contato com a natureza começa no seu corpo, ativando seus sentidos, desde que você se abra para as experiências que a natureza te oferece.

Quem registrar a experiência, pode compartilhar conosco no Facebook usando a hashtag #ExperienciaSCN.

Ana Carolina Thomé e Rita Mendonça

Ana Carolina é pedagoga, especialista em psicomotricidade e educação lúdica, e trabalha com primeira infância. Rita é bióloga e socióloga, ministra cursos, vivências e palestras para aproximar crianças e adultos da natureza. Quando se conheceram, em 2014, criaram o projeto "Ser Criança é Natural" para desenvolver atividades com o público. Neste blog, mostram como transformar a convivência com os pequenos em momentos inesquecíveis.

Deixe uma resposta