3a. Marcha pela Ciência: cientistas se mobilizam em São Paulo e convidam o público para participar


Por que marchar pela Ciência? Por um futuro mais próspero, justo e sustentável. O governo federal tem cortado o orçamento voltado para pesquisa e ensino em Ciência, mas não há outro caminho para o futuro do país. Afinal, inovação e tecnologia – tão imprescindíveis no planeta, hoje – só existem graças à Ciência.

Ah, estamos vivendo uma crise? O mundo inteiro está. E a nossa crise só tem sido agravada pela visão torpe de Temer e seus ministros. E o que nos espera, caso não impeçamos que essas medidas sejam implementadas, só agravará a crise. A pesquisa não pode parar e universidades públicas e institutos não podem ser sucateados por má gestão ou a manutenção dos interesses de poucos.

Muitos países que passaram por situações difíceis como o Brasil – ou ainda piores – jamais pensaram em driblá-las com cortes no orçamento para o ensino e a pesquisa em Ciência. Mas claro que é preciso ter visão de futuro e considerar esse tipo de verba como investimento e não como gasto. Por isso, os cientistas laureados com o Prêmio Nobel enviaram carta à Temer, pedindo que reconsidere sua decisão. Foi em 30/9 e, naquele dia mesmo, sua assessoria garantiu que ele responderia em 2/10. Até agora, não houve qualquer pronunciamento de Temer a respeito.

Você ainda tem alguma dúvida sobre se deve apoiar a 3.a Marcha pela Ciência, que acontecerá no próximo domingo, 8/10, em São Paulo? Pois Renato Janine Ribeiro, professor de Ética e Filosofia na USP (ex-ministro da Educação), explicou muito bem em vídeo que divulgou em sua página no Facebook e convidou a todos os paulistanos e moradores da capital paulista para participar. Reproduzo, aqui, o seu apelo:

“A gente tem uma certa noção de que a Ciência é importante, de que a Ciência é positiva, mas o que a maior parte das pessoas não sabe é que elas estão vestindo Ciência e comendo Ciência o tempo todo. Então, é provável que, na roupa que você está usando agora, tenha invenções científicas mais recentes do que dez anos ou algumas que foram descobertas há menos de dois anos. Na sua comida, no transporte, tudo está carregado de Ciência”.

E completou: “Foi a Ciência que permitiu que o mundo melhorasse tanto nos últimos dois séculos. Há 200 anos, a fome e o sofrimento eram inevitáveis na experiência humana. Hoje, é possível vencê-los. Eu sei que este tempo está difícil, nós estamos vivendo retrocessos grandes no Brasil e no mundo… Mas a Ciência é um dos fatores principais que nos permitem ter esperança, porque ela pode melhorar as condições materiais de vida das pessoas, pode aprimorar a cabeça e, dessa maneira, podemos construir uma sociedade mais justa“.

Ele está certíssimo! Medicina, agricultura, biodiversidade, preservação… tudo depende de Ciência. Não há inovação, nem tecnologia sem ela!!! E o que é um país sem inovação e tecnologia? Sem Ciência?

Por isso, não dá pra aceitar que o governo de Temer aprove o Projeto de Lei Orçamentária Anual para 2018, que reduz acena com uma redução de quase 40% no orçamento deste ano, um dos menores da história. São R$ 2,8 bilhões, ou seja, valor 44% menor do que o que estava previsto antes dos cortes anunciados em março. Ele representa menos da metade do orçamento de 2005 e menos de 1/3 do orçamento de 2010!!!. De acordo com o movimento Conhecimento sem Cortes, desde 2015, R$ 12 bilhões já deixaram de ser investidos em universidades e em pesquisa. Para o ano que vem, o governo federal já anunciou mais 15,5% de cortes.

Então, se você também considera abusiva tal situação, junte-se aos cientistas em todas as mobilizações pela Ciência.

Em São Paulo, a 3a. Marcha pela Ciência (acompanhe sua página no Facebook) será no próximo domingo, 8/10, a partir das 15h, na frente do MASP, Museu de Arte de São Paulo, na Avenida Paulista. Na pauta, protestos contra cortes no orçamento e o desmonte das universidades públicas, além de reivindicar a revitalização dos institutos de pesquisa do estado.

Coordenada pela Aciesp (Academia de Ciências do Estado de São Paulo) e pela APqC (Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo), a Marcha pela Ciência paulista também tem o apoio da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), da USP (Universidade de São Paulo) e Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), além de ONGs ambientais e sociais, de divulgadores científicos e dos organizadores da etapa brasileira do festival Pint of Science.

3ª Marcha pela Ciência
8/10/2017, a partir das 15h
Em frente ao MASP – Museu de Arte de São Paulo, Avenida Paulista, 178

Leia também:
Marcha pela Ciência mobiliza mais de 500 cidades pelo mundo. Até debaixo d’água!

Foto: Divulgação

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta