2018 foi o 4º ano mais quente da história

2018 foi 4o ano mais quente da história

O ministro do Meio Ambiente do Brasil disse na segunda-feira (04/02) que tem coisas mais tangíveis com que se preocupar do que a mudança climática, que segundo ele é uma discussão “acadêmica” sobre como estará a Terra “daqui a 500 anos”. Dois dias depois, na quarta-feira (06/02), quatro organizações independentes publicaram dados mostrando que o aquecimento global já é bastante tangível: o ano de 2018 foi o quarto mais quente da história desde o início das medições, em 1880.

Segundo a Nasa (Agência Espacial Americana), a NOAA (Agência Nacional de Oceano e Atmosfera dos EUA), o MET Office britânico e a OMM (Organização Meteorológica Mundial), o ano passado perde apenas de 2016, 2015 e 2017 no ranking dos anos mais quentes. Os cinco recordes globais de calor foram batidos todos nos últimos cinco anos. Recuando um pouco mais no tempo, nove dos dez anos mais quentes aconteceram desde 2005.

“Nós não estamos mais falando de uma situação na qual o aquecimento global é algo no futuro. Ele está aqui, agora”, disse à imprensa o climatólogo neozelandês Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais, da Nasa, que analisa mês a mês as temperaturas da superfície da terra e dos oceanos coletadas em 6.300 pontos ao redor do mundo.

O calor excepcional de 2018 e a tendência de longo prazo de aquecimento da Terra são confirmados por seis bases de dados distintas, que usam metodologias diversas para produzir um compilado das médias globais. A OMM, em sua análise, considera cinco delas. Todas mostram que a temperatura global em 2018 ultrapassou 1oC em relação à era pré-industrial. Em 2016, o ano mais quente da história, um El Niño excepcionalmente forte fez com que a temperatura atingisse 1,2oC acima da era pré-industrial.

 

Gráfico da Nasa mostra como seis séries de dados concordam em relação à temperatura

O Acordo de Paris, de 2015, estabeleceu como sua meta mais ambiciosa que o mundo faria esforços para limitar o aquecimento global a 1,5oC. Em outubro do ano passado, o IPCC, o painel de climatologistas das Nações Unidas, publicou um relatório indicando que esse meio grau que falta poderia ser atingido já em 2040. Para evitar que isso ocorra, será preciso cortar 45% das emissões de gases de efeito estufa do mundo até 2030 – e a chance de que isso ocorra hoje é praticamente nula.

Segundo a Nasa, a temperatura média global em 2018 foi 0,83oC superior à média registrada entre 1951 e 1980, que por sua vez já é maior que a pré-industrial. A Noaa põe o aquecimento médio em 0,79oC acima da média do século 20. Esta agência, porém, não contabiliza o Ártico, região que esquenta duas vezes mais rápido que o resto do mundo.

Segundo os dados da NOAA, 2018 é o 42o ano consecutivo em que as temperaturas médias globais ultrapassam a média do século 20. Ou seja, na última vez que o clima da Terra teve temperaturas na média, o ministro do Meio Ambiente – aquele que diz que aquecimento global é uma preocupação para daqui a cinco séculos – ainda usava fraldas.

“A tendência de longo prazo das temperaturas é muito mais importante do que o ranking de anos individuais, e a tendência é de alta”, disse o secretário-geral da OMM, o finlandês Petteri Taalas em comunicado da organização.

As temperaturas, prosseguiu, contam apenas parte da história. “Eventos meteorológicos extremos e de alto impacto afetaram muitos países e milhões de pessoas, com repercussões devastadoras sobre economias e ecossistemas em 2018.”

Que o digam os Estados Unidos, cujo presidente, Donald Trump, nega o aquecimento global. Segundo a NOAA, uma agência do próprio governo, o país teve 14 desastres climáticos que causaram prejuízos na escala dos bilhões de dólares em 2018. A conta total foi de US$ 91 bilhões e 247 mortes.

*Texto publicado originalmente em 06/02/2019 no site do Observatório do Clima

Leia também:
Trump volta a debochar do aquecimento global diante de onda de frio polar que castiga os Estados Unidos
Dezenas de animais selvagens morrem com calor extremo na Austrália
“O Jardim do Éden não existe mais”, diz naturalista David Attenborough, sobre impacto do homem no planeta
Degelo da Antártica atinge nível alarmante: uma aceleração de 280% nas últimas quatro décadas
Aquecimento dos oceanos é maior do que estimado e nível do mar poderá subir 30 cm até o final do século
Brasil sobe no ranking dos países mais atingidos por eventos climáticos extremos

 

Foto: domínio público/pixabay

Deixe uma resposta