#10YearsChallenge engajado: as tragédias de Brumadinho e Rio Doce, desmatamento, mudanças climáticas, plástico nos oceanos…

O desafio que a equipe de Zuckerberg propôs aos usuários do Facebook e do Instagram, no mês de janeiro, viralizou rapidamente. Em poucos dias, muita gente postou suas fotos com a hashtag #10YearsChallenge (ou Desafio Dos Dez Anos). Afinal, quem não quer mostrar o quanto evoluiu ou se transformou para melhor? O quanto ficou mais bonito, mais interessante e envelheceu bem?

Mas parece que o principal objetivo do desafio era o de testar um sistema de reconhecimento facial, que poderia resultar em lucro, certamente. A gente sabe que o criador do Facebook não dá ponto sem nó e esta é, sim, uma forma inteligente de coletar informações, que podem ser utilizadas em publicidade, por exemplo. Mas também podem ser usadas com um objetivo mais nobre como o de reconhecer crianças desaparecidas há muito tempo. Um sistema de reconhecimento de feições faciais e envelhecimento como esse pode ser muito mais eficaz e ajudar demais esse tipo de investigação. Muito bacana!

Mas, independente do verdadeiro intuito de Zuckerberg com essa proposta, o fato é que a brincadeira mobilizou muita gente, que ainda desafiou os amigos a participar. Mas a diversão foi muito além do ego. Em pouco tempo tambem, teve quem utilizasse a ideia para se engajar em temas da atualidade, para continuar seus ativismos diários, pra protestar contra alterações no meio ambiente, o desmatamento, as causas e os efeitos das mudanças climáticas, a política, a alimentação, as agressões aos direitos humanos, as transformações sociais do Brasil e do mundo. As organizações da sociedade civil também lançaram mão da ideia para disseminar informações sobre as causas que defendem. E foi muito legal!

Assim, montagens fotográficas revelaram o grande problema dos plásticos nos oceanos, a magreza do urso polar que não tem mais o que comer por causa das mudanças climáticas, o derretimento das calotas polares, a acidificação dos oceanos, o desmatamento na Amazônia (o olhar lírico do fotógrafo Araquém Alcântara abre este post), o desmatamento em Rondônia denunciado por Leonardo di Caprio, o desmatamento no Cerrado, as benesses de aderir aos orgânicos ou ao veganismo, a tragédia do Rio Doce e, quando a brincadeira já estava quase perdendo a força, no dia 25 de janeiro, a tragédia de Brumadinho.

Fiz uma seleção dos posts que mais me chamaram a atenção e reproduzo a seguir. A maioria não tem crédito porque foi divulgado por muitas pessoas que esqueceram de incluir o autor. Se alguém souber, por favor, me passe, que eu acrescento. E se viu ou produziu outros, também interessantes, indique nos comentários.

Agora, vamos aos desafios engajados, começando com a tragédia em Brumadinho, que aconteceu em 25 de janeiro.

Nas fotos do Google Earth, dois trechos de Brumadinho (acima e abaixo) antes e depois da tragédia. Que crime! 


A seguir, duas montagens da tragédia do Rio Doce em 2015, resultado da ganância da mesma empresa,
a Vale,
e de sua sócia, a inglesa BHP Billiton, que está sendo processada pelas vítimas na Inglaterra,
já que a nossa Justiça é morosa demais.
 Como era lindo esse rio, não? 


Em seu Instagram, no dia 18 de janeiro, Leonardo di Caprio denunciou o desmatamento em Rondônia:

“A região de Rondônia, no Brasil, originalmente, tinha mais de 200 mil km² de floresta tropical,
mas se tornou um dos lugares mais desmatados da Amazônia”. Agora, os protestos contra o desmatamento que corre solto por todos os biomas brasileiros,
por causa da agricultura, da 
mineração… 

 Acima, o desmatamento no Cerrado: a floresta desaparece e, em seu lugar, produção de commodities.

Abaixo, o protesto do fotógrafo Araquém Alcântara, que abre este post, e revela

a devastação na Amazônia. Em seguida, a denúncia do Greenpeace,
no mesmo bioma 

 


O avanço da mineração na Serra da Moeda, Minas Gerais

Impacto terrível a inanição do urso polar por falta de alimento no Ártico.
A causa? O aquecimento global, as mudanças climáticas.  

Neste desafio, o autor (desconhecido para mim) foi muito além dos dez anos.
Mostrou a garrafa pet hoje, praticamente intacta, e cem anos depois, no mesmo estado.
Sim, porque o plástico pode demorar 500 anos para se decompor. Muito bom!


O impacto da acidificação dos oceanos causado pelas mudanças climáticas: a morte dos corais. 
Este desafio foi divulgado por Bela Gil, super ativista da alimentação saudável e
apresentadora de programa de receitas e dicas de 
comida vegetariana, que faz o maior sucesso na TV

O artivista Mundano, do Pimp My Carroça, (escrevi sobre sua trajetória em janeiro de 2017)
participou do desafio relembrando a frase que ficou famosa nas carroças pimpadas
por ele nos últimos dez anos. 

Essa frase ainda define uma grande parcela dos políticos brasileiros, 
infelizmente, mas não podemos negar que existe muita gente boa trabalhando,
de fato, pelo povo, nas assembléias de vereadores e no Congresso Nacional.
Eles são uma grande força para as mudanças que precisam ser realizadas,

então, vamos encontrá-los e apoiá-los!

Fotos: Reprodução 

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta