10 jovens que transformam o Brasil com criatividade, inovação e tecnologia

10 jovens que usam inovação como ferramenta de transformação social

Um jornal digital que traduz as notícias para a linguagem infantil, uma plataforma que fiscaliza o resultado das eleições e um novo dispositivo de implante intraocular para tratar doenças de córnea. O que essas invenções têm em comum? Além de fazerem bom uso de tecnologia e inovação, foram desenvolvidas por 10 empreendedores brasileiros com menos de 35 anos – e são positivas para toda a sociedade.

Determinados a mudar o mundo e resolver problemas sociais usando suas habilidades e conhecimentos, esses jovens talentosos são destaque da edição em português da revista de inovação do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), a Technology Review. Eles são ganhadores do prêmio que reconhece dez profissionais que se destacam pela ambição de gerar impactos regionais e globais com criatividade. Tudo isso por meio da inovação, claro.

Neste grupo de empreendedores e pesquisadores, com idades que variam entre 22 e 34 anos, tem engenheiro, cientista da computação, administrador, oftalmologista e até publicitário. Os projetos selecionados compreendem as áreas de biomedicina, comunicação e informática. De acordo com a revista, esses inovadores moldam as tecnologias que serão utilizadas nas próximas décadas na saúde pública, economia social e educação, por exemplo.

“Eles são exemplo de como a tecnologia está evoluindo no mundo e evidenciam o surgimento de uma comunidade de pessoas com vocação para transformar a realidade”, ressalta a publicação, que realiza a competição de inovação pela segunda vez no Brasil, mas teve sua primeira edição no mundo em 1999.

Inovação na veia

Conheça agora cada um desses jovens esforçados que enfrentam problemas relevantes de forma transformadora e seus projetos:

Anielle Guedes
Ela tem apenas 23 anos, mas já fez um documentário sobre educação alternativa e criou uma startup, a Urban3D, que vai usar impressão 3D e robótica para construir moradias de forma rápida e barata. O objetivo da empresa é construir prédios de quatro a cinco andares em poucas semanas, com custo entre 10 e 15 mil reais. Anielle estudou Física e Economia na Universidade de São Paulo, mas não concluiu nenhuma das graduações e já concluiu três pós-graduações. Atualmente, cursa a terceira, focada em inovação, gestão e cadeias produtivas sustentáveis.

Claudio Trindade
Oftalmologista e fotógrafo nas horas vagas, Claudio, de 33 anos, aliou profissão e hobby para criar um novo dispositivo de implante intraocular para tratar de doenças da córnea. O ponto de partida do projeto foi após fazer cursos de fotografia, quanto notou que os filtros aplicados nas câmeras apresentavam a característica que precisava para fabricar o dispositivo. O aparelho também pode ser utilizado em pacientes com problemas de visão após transplante de córnea ou que desenvolveram astigmatismo irregular pós-cirurgia de correção de miopia. Bota inovação nisso!

Danielle Brants
Graduada em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Danielle, de 31 anos, embarcou em uma aventura pelo universo da leitura infantil. Seu objetivo era despertar o interesse de crianças e adolescentes pela leitura por meio de fatos reais. Para isso, desenvolveu um jornal digital que traduz as notícias e textos complexos para uma linguagem mais acessível. Trata-se do Guten News, aplicativo que também utiliza jogos, missões e atividades para ampliar a compreensão de texto. Para ela, a educação é fundamental para a transformação do Brasil.

Diego Aranha
Será mesmo que as urnas eletrônicas são aparelhos seguros e confiáveis para as eleições? Diego, de 32 anos, foi convidado a testar uma delas, em 2012, como professor da Universidade de Brasília, e constatou que não. Criou uma plataforma para que a sociedade fiscalize o resultado das eleições. Para explicar à população como funciona o sistema de votação e fazer a conferência dos votos, nasceu o projeto Você Fiscal, que confere segurança, privacidade e credibilidade ao voto no Brasil.

Fábio Piva
Imagine ir a lojas e adquirir produtos sem pegar filas ou sequer passar no caixa. A invenção do engenheiro Fábio, de 32 anos, possibilita isso apenas com o uso de um smartphone, por meio de uma nova tecnologia para o comercio móvel. Com o Auto-Checkout Descentralizado, basta aproximar o celular da etiqueta do produto, pagá-lo usando sua opção de preferência e ir embora, pois ele desativa a etiqueta antifurto.

Marcelo Cicconet
Formado em Matemática e Doutor em Ciência da Computação, Marcelo, de 32 anos, desenvolveu um aplicativo para facilitar o aprendizado da música e um novo instrumento musical, além de servir como ferramenta para músicos profissionais desenvolverem novas formas musicais. Trata-se de um aplicativo desenvolvido para iPad que permite construir um novo e original instrumento musical.

Mateus Mendonça
Para unir as duas pontas da logística reversa – catadores de materiais recicláveis e empresas -, Mateus, de 34 anos, e seus sócios na startup New Hope Ecotech criaram um modelo para a emissão de títulos ambientais negociáveis. Para isso, desenvolveram três produtos: um aplicativo para consumidores e empresas chamarem a coleta seletiva, uma plataforma gratuita de gestão online para recicladores e, por fim, um sistema de monitoramento de indicadores em tempo real para que as empresas acompanhem o resultado.

Ronaldo Tenório
Lançando mão do uso da tecnologia 3D e estudos de linguagem corporal, o comunicador e publicitário Ronaldo, de 30 anos, criou um boneco virtual bastante incomum. Hugo, como é chamado, é apenas a interface de uma plataforma que traduz texto, som e imagem para linguagem de libras. O objetivo da Hand Talk é levar inclusão social para pessoas com deficiência auditiva e ela já foi reconhecida como a melhor startup do estado de Alagoas.

Tales Gomes
Formado em Marketing, Tales, de 27 anos, observou o cenário desafiador da saúde no Brasil e enxergou uma oportunidade. Ao estudar a área, surpreendeu-se que 72% das mortes no Brasil são causadas por doenças crônicas não transmissíveis,  como diabetes, hipertensão e doenças cardíacas. Por isso, em 2014, lançou a Plataforma Saúde, que faz o diagnóstico inicial dessas doenças. A iniciativa  já atende mais de mil famílias, impactando cerca de três mil pessoas de diversas comunidades da cidade do Rio de Janeiro. E o projeto está crescendo: até o final de 2016, a meta é atender mais 15 mil pessoas.

Tallis Gomes
Você com certeza já ouviu falar no Easy Taxi, aplicativo que revolucionou a mobilidade urbana ao permitir que qualquer pessoa solicitasse um táxi, a qualquer hora e em qualquer lugar, por meio da tela do celular. Por trás dessa invenção que já está presente em 30 países, com mais de 17 milhões de usuários, está o mineiro Tallis, de 28 anos, formado em Publicidade e Propaganda, e sua equipe de mais de 1300 funcionários.

Jornalista, Marina escreve sobre meio ambiente para diversas publicações brasileiras desde 2011. Já colaborou para veículos como Superinteressante, Exame, VEJA, VEJA SP, M de Mulher, Casa Claudia, VIP, Cosmopolitan Brasil, Brasil Post, National Geographic Brasil, INFO e Planeta Sustentável.

Marina Maciel

Jornalista, Marina escreve sobre meio ambiente para diversas publicações brasileiras desde 2011. Já colaborou para veículos como Superinteressante, Exame, VEJA, VEJA SP, M de Mulher, Casa Claudia, VIP, Cosmopolitan Brasil, Brasil Post, National Geographic Brasil, INFO e Planeta Sustentável.

2 comentários em “10 jovens que transformam o Brasil com criatividade, inovação e tecnologia

Deixe uma resposta